Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

sexta-feira, 7 de março de 2014

Resenha 'meh'

Acabei de descobrir que não sei postar do goodreads pra cá, muito embora exista um link que diz "copie esse link para postar no seu blog". Devo ser mentalmente incapaz de entender essa frase, porque ela claramente não quer dizer o que parece.
Enfim, a review era essa aqui e era sobre o livro The good luck of right now, do Matthew Quick. O mesmo cara que escreveu The silver lining playbook, (O lado bom da vida) que concorreu em alguma categoria ao Oscar, tinha uma ótima trilha sonora e, na minha opinião, a impagável Jennifer Lawrence. Eu digo nela basicamente que foi ...



Eu esperava me apaixonar pelo Bartholomew como me apaixonei pelo Milo, do Unexpectedly Milo, do Matthew Dicks, ou pelo Christopher (embora nesse caso tecnicamente isso é ilegal porque o Christopher tem 15 anos, mas acho que você entendeu o uso da palavra aqui) no livro do Mark Haddon, mas demorei bastante pra me convencer que toda a esquisitice dele era plausível aqui no mundo real, e só comecei de verdade a gostar do livro nos últimos capítulos, até lá era só teimosia - tipo, deusolivre não terminar um livro que eu comecei. - Talvez eu também tenha um pouco de transtorno. Tem umas partes bem fofas, como ele escrevendo as coisas interessantes que ouve por aí, ou o fato de que ele é genuinamente bom, mas ... (olha pra foto aí em cima de novo).

E é isso aí. Eu precisava de mais emoção pra superar o fato de que bati o carro (num carro parado, mind you) tentando não atropelar uma gata (que depois eu descobri que se chama Mimi, é 'bem rueira' e morava na casa da frente do pobre senhor que eu tive de acordar pra contar que arrebentei o farol dele) e gastei meia hora só tocando campainhas tentando descobrir pra quem implorar perdão, além de mais várias horas me sentindo megaidiota, infeliz e culpada, além de definitivamente mais pobre, porque o seguro teve de ser acionado, eu arrebentei o parachoque meu e do senhorzinho.

Não que eu tenha esquecido que esse blog é primordialmente sobre livros, mas veja bem: a gente lê pra ser levado praquele mundo que alguém definiu, né? seja uma batida de carro, um dia ruim, uma tarde de chuva ou sol no parque, é isso que o livro te dá. Se ele não conseguiu...
(olha a foto mais uma vez).

Nenhum comentário:

Postar um comentário