Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quarta-feira, 19 de março de 2014

Q Quartas

Ainda seguindo o Should be Reading, vou usar a sugestão das quartas-feiras, que é...

To play along, just answer the following three (3) questions…

• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?

basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:
o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?

e minhas respostas são:

O primeiro livro que terminei depois do The nearly weds foi Admission, da Jean Hanff Korelitz, e foi muito interessante. Ao mesmo tempo que era ficção, o processo todo americano de admissão de candidatos à universidade é muito diferente do nosso (e do europeu, aliás), então é curioso começar a pensar nisso. A Portia Nathan, que é a funcionária do departamento que faz isso e é a personagem principal do livro, não só é muito bem versada na história americana da educação como tem opiniões obviamente muito fundamentadas, o que torna a questão algo muito mais profundo. Houve uma note muito bonitinha, mesmo que óbvia:
"Admissions. Admission. Aren't two sides to the word? And two opposing sides. (...) It's what we let in, but it's also what we let out. (...) We admit a stranger to our homes. We admit a lover to our bodies. (...) But when we admit something, we might also let it out. (...) It's true, isn't it? That we admit our secrets?"
Muito simpático. De qualquer jeito, o ponto do livro é o ponto da vida da Portia, e o que acontece nela enquanto ela está por aí 'admitindo' candidatos; os segredos que ela havia soterrado em si, as coisas que ela tem ignorado na vida, a relação pessoal e profissional que ela carrega consigo, a mãe, as amigas, o chefe. O livro é bem escrito, e tem realidade, sabe? Bem, foi feito um filme, com a Tina Fey, acho, e o Paul Rudd (o namorado da Phoebe de Friends :)).
Depois disso, comecei a ler o Forgive me, Leonard Peacock, do Matthew Quick, minha última chance pra ele, e o Police, do Jo Nesbo, que eu havia mencionado semana passada.
E o próximo da fila... já já te conto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário