Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quarta-feira, 18 de junho de 2014

www Wednesdays, QQQ Quartas

Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


Vamos lá:
Acabei de ler O caso do homem que morreu rindo, do Tarquin Hill. Ele parecia interessante, estava num display na livraria e eu caí no impulso. Big, big mistake. Quem às vezes passa por aqui sabe que eu gosto bastante da literatura indiana (não tenho ideia se isso é um gênero, mas gosto da coisa meio fantástica, bem típica, cheia de misturas e cheiros que é quase impossível não sentir), mas ao mesmo tempo que às vezes a gente hit the jackpot (tira a sorte grande), uma expressão que aliás encontro com frequência nesses livros sei lá porquê, já que vem de jogos de azar, outras... bom, é um crime, e tem um fim à la O caso dos dez negrinhos (pronto, já dei o final). Mas tem umas misturas no meio que ficam confusas e fazem qualquer final ficar sem graça. Foi uma estrela no goodreads, e eu costumo ser simpática com as estrelas...
Li The Sister Season, da Jennifer Scott. Foi num dia empolgado, porque como meu dedo é meio atrevido, não costumo comprar livros de 8 a 15 dólares sem pensar muuuito. Mas geralmente livros sobre família me atraem, acho que o Tolstoi foi genial quando falou aquilo de "As famílias felizes são todas meio parecidas, as infelizes o são cada uma à sua maneira" - é o começo de Anna Karenina. E tenho uma irmã que amo mais que chocolate, mas sei que o relacionamento fraternal não é nada fácil, então achei que podia ser legal. 
Foi, mas não o tanto que eu esperava. São três irmãs, se encontrando para o funeral do pai, e algumas não se falam há oito anos, e bem, tive dificuldade em entender isso. Principalmente porque o final foi bem idílico, dando a entender que subitamente estava tudo tão melhor. Não sei, foi interessante, crível, sólido em alguns momentos, mas achei bem conceitual...
E terminei The immortal crown, da Richelle Mead, o segundo volume da Era de X, seguindo O Tabuleiro dos deuses. Falei dele ontem, estou meio apaixonada pelo Justin e Mae. (embora eu sempre falhe em imaginá-la loira, pra mim ela sempre foi morena, vê como sou teimosa? o apelido dela é Finn, de Finlandesa, ela é beem looira, mas pra mim Mae Koskinen simplesmente soa como morena). A história é interessante, os deuses Odin e Freya dão um pano de fundo peculiar o suficiente sem se tornar cansativo, até agora, e até as partes muito malucas eu aceito numa boa. Tô bem empolgada. Só que termina num momento que eu falei 'Você tá brincaaando!' tão alto que meu amorzinho até interrompeu o jogo Colômbia e Grécia pra ver o que eu estava fazendo hahahah...
Li o Salem's lot, do Stephen King. Eu esperava bastante dele. Deixa eu pensar como dizer o que eu achei: por vezes, bem assustador. Por vezes, narrativa se arrastando. Por vezes, clichê. Pra ser um dos livros de vampiro nos quais eles eram realmente assustadores, vale - e pra falar bem a verdade, o que me deixou com muito, muito ódio mesmo, era a moçoila que batia no seu bebê, me fez perder a vontade de ler o livro mais vezes que os ataques sanguinolentos dos vampiros. (aconteceram três ou quatro vezes, mas não é algo que você consiga ler com facilidade). 
Li The No kids club, da Talli Rolland, um livro que peguei emprestado no Amazon Prime. Li numa ida e volta de metrô, porque era relativamente fluido e porque estava bem curiosa sobre como a autora ia desenvolver o tema. Basicamente, começa com uma médica, Clare, de 39 anos, terminando um relacionamento com um cara de quem tinha gostado (conhecido online, após várias tentativas frustradas) porque ele diz que gostaria de ter filhos e ela tem certeza que não. Ela decide fundar um clube (o do título), que começa com uma página no Facebook, e mais tarde, atraindo a atenção de um produtor de tv, fica famoso e atrai várias pessoas. Algumas outras pessoas: Anna, que tem um relacionamento que parece idílico só da parte dela com o parceiro, e Poppy, que crê que só será feliz quando tiver um filho biológico e sacrifica muita coisa por isso. 
Eu gostei de algumas coisas, mas a personagem principal me incomodou bastante. Acho que não posso dizer porquê sem revelar o que acontece no final, então você vai ter que acreditar em mim. Mas ficou um gostinho de 'quase'.


Estou lendo...  ahhh, confissão: comprei um livro da Gabrielle Zevin, aquela do AJ Fikry, chamado Memoirs of a Teenage Amnesiac, só porque era dela. E sim, comecei El juego de Ripper, porque Isabel Allende é simplesmente muito amor.

Lerei em seguida... Estava pensando em brincar de Cassandra Clare, ouvi dizer que aquela coleção nova, Shadowhunt alguma coisa, pode ser divertida...



2 comentários:

  1. Quando fez comparação com O Caso dos Dez Negrinhos já entendi tudo, inclusive que é um livro que não devo passar perto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha não fui muito sutil né Maria? :p

      Excluir