Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Sobre erotica e sobre Ella Intima

Estou escrevendo pro blog da Ella Intima, toda quarta, - se você não passou por lá, recomendo; é um site megalegal, super bom gosto, cheio de novidades interessantes -  e há algumas semanas falei da Erika James, a autora de 50 tons de cinza. Está de volta à moda, por causa do filme - ou talvez não tenha chegado a sair de voga. Eu tenho muitas opiniões a respeito (falei delas também na semana seguinte), mas não me impediu de morrer de rir aqui:

quarta-feira, 30 de julho de 2014

www Wednesdays, Qqq quartas

Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


acabei Landline, da Rainbow Rowell. Amei bastante, como tudo que li dela até agora.  Dessa vez a personagem principal é adulta e com problemas de carreira e relacionamento, mas ainda existe o suficiente de mágica e loucura no livro para ser Rainbow rowell - ainda bem. 

Li Os deixados para trás, do tom Perrotta, série The leftovers, da HBO.  Há pontos em comum e pontos divergentes, as respostas não existem em nenhum deles (embora a série tenha acabado de começar), mas a ideia é original e bem maluca.

Estou lendo House of cards, pra ver se também me deixa com medo de poder pra sempre como o Kevin Spacey na série. Até agora, só me confundiu, porque o Francis Underwood tem outro nome, a Zoe Barnes também, e eu comecei pela série. E se passa na Inglaterra. (a Zoe/Mattie é de Yorkshire), então meu cérebro dá curto, porque entende os dois países de modo distinto. Mas tô me divertindo.

Vou começar o segundo volume de Fazendo meu filme, da Paula Pimenta. A Tati me deu o primeiro e me disse que eu ia acabar fazendo isso...

(vai que:)

.

terça-feira, 29 de julho de 2014

teaser Tuesdays, temperinho da terça - Landline, Rainbow Rowell

O título do livro vem de 'linha fixa', uma alusão ao telefone amarelo da casa da mãe da Georgie, que está fazendo umas ligações no mínimo peculiares. E mais que isso não digo, porque acho que pode ser considerado spoiler.

Love this quote from Rainbow Rowell's next book Landline (out July 2014)
Ou seja, não sei se a tradução para o português se manterá assim (quem ainda tem telefone fixo?), mas espero que dê pra captar o amor infinito que sempre sinto pela Rainbow com esses pedacinhos e a versão abaixo:

Maybe everybody had nice lips, and you only really noticed it when you stared at their mouths all the time.
Talvez todo mundo tivesse lábios lindos, e você só notasse de verdade quando você olhasse pras suas bocas o tempo todo.

She intentionally frowns whenever I try to be funny - it's like not laughing at me isnt a strong enough negative reaction.
Ela franze a testa intencionalmente quando quer que eu tente ser engraçada - é como se não rir de mim não fosse suficientemente negativo.

When were you smiling? No one in your family smiles. You're a dynasty of wasted dimples.
Quando você estava sorrindo? Ninguém na sua família sorri. Vocês são uma dinastia de covinhas desperdiçadas.

After two months of hanging out in The Spoon's production, Georgie was 53 percent sure that Neal liked her.
Depois de dois meses frequentando a sala de produção de The Spoon, George estava 53 por cento certa de que Neal gostava dela.

Eu podia continuar ad infinitum, porque selecionei diversas passagens fofas, dessas que te fazem sorrir mesmo quando a questão é um pouco triste e um pouco séria, como é na vida da Georgie, e quando você tem diversas opiniões sobre o que ela deveria ou poderia estar fazendo. Mas vou dizer só mais uma, que virou uma das minhas favoritas e possivelmente um mantra adequado (sempre que gosto muito de uma citação, penso/digo que viraria uma ótima tatuagem. Essa ia ter de ser encurtada, rs, mas definitivamente se encaixa.)

And I want to be happy. Like, seventy to eighty percent of the time. I want to be actively, thoughtfully happy.

Tô contigo, Georgie McCool :)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Musing Mondays, (In) Sensatas Segundas

Musing Mondays asks you to muse about one of the following each week… • Describe one of your reading habits. • Tell us what book(s) you recently bought for yourself or someone else, and why you chose that/those book(s). • Tell us what you’re reading right now — what you think of it, so far; why you chose it; what you are (or, aren’t) enjoying it. • Do you have a bookish rant? Something about books or reading (or the industry) that gets your ire up? Share it with us! • Instead of the above questions, maybe you just want to ramble on about something else pertaining to books — let’s hear it, then! (do blog Should be Reading, lá da minha lista de blogs)

 Resolvi rebatizar o Musing Mondays pela aliteração Sensatas Segundas. Aí, ponderei, vocês vão concordar que com razão, que baseada nas últimas segundas, não dava pra garantir muita sensatez, e acrescentei o prefixo para garantir a credibilidade...

Me ocorreu falar sobre os dois últimos livros que comprei e li, sob o espanto da minha melhor metade aqui: Os deixados para trás, do Tom Perrotta, e Orange is the new black, da Piper Kierman.

A razão do espanto dele é simples: se eu assisto às séries, pra que ler os livros? se eu sei o que acontece, não há sentido, e se não sei, que diferença vai fazer?

A questão é que, diferente de filmes, as séries se espalham por muitos caminhos, por seu próprio formato. Já é bem interessante ver que personagens os roteiristas acharam que deviam ser expandidos, investigados, e quais eles ignoraram. Nem sempre a gente como leitor concorda, nem nos filmes, mas nas séries, eles tem muito mais tempo para nos conquistar.

Em Os deixados para trás, não tive coragem de dizer ao meu ilustríssimo que o livro não dá nenhuma luz sobre os mistérios que ele viu e gostou na série, porque vai que os roteiristas tem um plano secreto. E quer saber, continua interessante assistir.  Fiquei mais receosa com OITNB, porque amei muito as duas temporadas no Netflix e sabia que o livro era uma base bem mais vaga., embora nesse caso o fato de ser autobiográfico tenha seu charme.

No fundo, o que prende no livro pra mim é sempre muito mais o jeito de contar a história que a própria história. nénao?

domingo, 27 de julho de 2014

Tá frio, né?

Alguém já pensou que talvez... A Sylvia Plath não era louca, só estava com frio?

dica de sites :)

Ainda na linha de sites legais que eu descobri recentemente:

www.seismusicas.tumblr.com
www.spotify.com

Pra quem gosta de música, e de listas, é um presente de aniversário e Natal e Páscoa. E não tô ganhando um real em dizer isso, viu!

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Jura?

A ciência finalmente explica porque a pilha de livros da sua mesa de cabeceira nunca fica menor.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

www Wednesdays, QQQ Quartas



Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:

o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


Terminei The Beach Trees, da Karen White, que era um livro do bookcrossing, que eu peguei no Sofá café (R. Bianchi Bertoldi, travessa da rua dos Pinheiros e pertinho do trabalho, ponto de troca do Bookcrossing além de ponto de venda de fantástico bolo de caneca com nutella e espresso :P). Pra falar a verdade, achei bem ok. (cara de ‘meh’). A história é interessante, mas acho que os pontos fortes dela não foram desenvolvidos e a troca de pontos de vista, que aliás acabam sendo muito similares, não ajuda. Não gostei muito não.
Terminei Labor day, da Joyce Maynard, e acabei de descobrir que foi traduzido em português como Fim de verão, (como eu ia saber? a capa se relaciona com o filme, que por sua vez se chama Refém da paixão... ah tradutores...) , leiam!!! e aí foi ooooutra história. Adorei! Sofri um pouco, ri um pouco, acreditei nos personagens no decorrer de todo o livro. A Adele eu não consegui evitar de imaginar como a Kate Winslet, mas eu a acho uma atriz sensacional, então não tive problemas. Vale a pena.

Estou lendo Landline, da Rainbow Rowell, que eu amo muito, bem devagarinho pra não acabar.

Vou ler em seguida - essa é sempre a pergunta que eu não sei responder! às vezes eu até tenho um plano, mas gosto de ser surpreendida pelas minhas próprias vontades...

terça-feira, 22 de julho de 2014

teaser Tuesdays, temperinho da terça - Labor day, Joyce Maynard

Comprei porque tinha uma sinopse boa, e a Kate Winslet, que tem meu coração, na capa; descobri que foi feito um filme , aparentemente chamado Refém do passado, e já lançado sobre o livro, mas não me lembro de ter vindo pra cá.

Pedaços que eu adorei:

(versão toscamente feita por mim): "Eu já tinha 13 anos. Eu queria saber sobre mulheres e seus corpos, e o que as pessoas faziam quando estavam juntas - pessoas de sexos opostos - e o que eu precisava fazer para conseguir uma namorada em algum momento antes de completar 40 anos. Tinha muitas perguntas sobre sexo, mas estava claro que minha mãe não era a pessoa para quem fazê-las, apesar de ela mesma trazê-las à baila ocasionalmente. No carro, no caminho para o shopping, por exemplo. Seu corpo está mudando, acho, ela disse, agarrando o volante.
Sem comentário.
Minha mãe olhou fixamente à sua frente, como se ela fosse Luke Skywalker, manejando  os controles do X-wing. Em direção a alguma outra galáxia. O shopping.

Evelyn deve ter pensado que movimento criativo podia ser uma boa ideia para Barry, apesar de que se você me perguntar, acho que ele já se movimentava de forma bastante criativa sem nenhuma ajuda.


Eu peguei um pêssego e lavei. Minha mãe não acreditava em germes mas eu sim. Germes são coisas que eles inventam para distrair as pessoas do que elas deviam realmente estar preocupadas, ela dizia. Germes são naturais. São as coisas que as pessoas fazem o que realmente devia te preocupar.

História adorável, mesmo.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Musing Mondays, (in) sensatas segundas

Musing Mondays asks you to muse about one of the following each week… • Describe one of your reading habits. • Tell us what book(s) you recently bought for yourself or someone else, and why you chose that/those book(s). • Tell us what you’re reading right now — what you think of it, so far; why you chose it; what you are (or, aren’t) enjoying it. • Do you have a bookish rant? Something about books or reading (or the industry) that gets your ire up? Share it with us! • Instead of the above questions, maybe you just want to ramble on about something else pertaining to books — let’s hear it, then! (do blog Should be Reading, lá da minha lista de blogs)

 Resolvi rebatizar o Musing Mondays pela aliteração Sensatas Segundas. Aí, ponderei, vocês vão concordar que com razão, que baseada nas últimas segundas, não dava pra garantir muita sensatez, e acrescentei o prefixo para garantir a credibilidade...

Book shelfie (autorretrato, ou selfie, da estante), última parte, tags book shelfie:


A revelação final, tcham tcham tcham tcham:


Espero que alguém tenha ficado até aqui, mesmo com a tosquidão das fotos e as revelações desnecessárias (que nem esse cobertorzinho aí no sofá hahaha, que as gatas usam na maior parte do tempo, e as garrafas d'água que eu espalho pela casa toda). Claramente não coube a estante toda na foto, ela vai até o fim da mesa e até o começo da porta, e foi a última parte do projeto da reforma que a gente escolheu, curiosamente. (na loja Casa e cozinha do Shopping Center Norte, com a Betânia, se alguém quiser ir investigar).

sábado, 19 de julho de 2014

Muito real


Eu quero tempo para sentar e ler, tirar uma soneca e fazer um lanche.
Basicamente, eu quero estar no jardim de infância.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Q Quartas, www Wednesdays



Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


Terminei Aguapés, da JhumpaLahiri.  Olha que edição linda! Não deu pra resistir. A tradução também estava ótima, só achei uma única frase estranha (um momento  no qual a Guari diz “Eu tinha que deixar” querendo dizer ‘leave’, que é deixar o lugar, nesse caso a Índia. – tive que fazer esse círculo de pensamento para entender a frase, o que quer dizer que a tradução não foi primorosa como no resto do livro.). A Companhia das letras dificilmente erra.
Enfim, alguém no goodreads escreveu que às vezes lia Jhumpa Lahiri pela história, e às vezes simplesmente pelo puro amor à narrativa. Achei que era esse o caso. Gostei mais da história de The namesake (O xará), mas me vi lendo Aguapés (The lowland) em duas noites, com uma taça de vinho ao lado e muitos sentimentos empáticos pelos personagens, embora eles não sejam fáceis de gostar. A história dos irmãos, juntos e separados, suas relações com os pais, a relação de Shubash com Guari e depois com Bela, a relação de Guari com Bela, tudo tem um significado dentro da história. E Jhumpa sempre consegue traduzi-lo em emoções. Gosto muito dela.
Li Claros sinais de loucura, daKaren Harrington, porque tinha uma cara simpática e porque alguma blogueira fez uma apologia muito convincente ao livro. Já estava apaixonada na página 14, e nunca me desapaixonei. Sarah tem 12 anos, mas não senti a vergonha alheia que às vezes sinto ao ler YA narrado por uma protagonista problemática; pelo contrário, ela foi fofa, convincente, e mesmo se ela não tivesse esse amor profundo pelo livro O sol é para todos e pelo Atticus Finch, tenho certeza que ela seria adorável por sua própria história. Lá pro fim eu fiquei com um pouco de medo da coisa descambar... mas não, pode relaxar. O tom se manteve, nada terminou de modo perfeito, foi interessante e real como deve ser. Amei.
Li Fazendo meu filme , A estreia de Fani; a Tati Feltrin me deu dizendo que eu ia amar e... meu passado me condena, desde Ana e Pedro (Vivina de Assis Viana), A hora do amor ou afins. Sim, já perdoei a capa rosa e sim, vou comprar os outros volumes nesse fds; preciso saber como termina...
Li Passarinho, da Crystal Chen. Acho que meu gosto bate com as recomendações do The Guardian, que foi o que me atraiu. Joia é uma menina de ascendência bem diferente (jamaicana, mexicana e branca) que vive em Iowa com o vô mudo e brabo, o pai supersticioso e a sombra do irmão que morreu no dia que ela nasceu. Vou só dizer que ela faz uma bela limonada com todos esses limões :)
Li Um romance inesquecível, só porque era do J Ward, escrito sob pseudônimo. Mas foi bem esquecível, pra falar a verdade.
Li O começo de tudo, da Robyn Schneider. Agora estou pensando que o livro só funciona se der pra pensar que realmente era o começo, e o personagem principal vai virar alguém interessante em algum momento... Ezra é um adolescente tão sem noção de tudo que acontece à sua volta (bom ou ruim) que o fato de ser raso acaba sendo perdoado, porque afinal, tem 17 anos - por outro lado, eu acabei de ler alguns outros livros com personagens até mais jovens que efetivamente tinham personalidade e autoconsciência... enfim, acho que ele tem potencial para se tornar um herói interessante... em 15 anos. Por enquanto, é só chatinho e meu Deus, olha em volta e olha pra si de vez em quando!

Estou lendo o livro que peguei do Bookcrossing, The Beach trees, da Karen White. Ainda é cedo pra dizer se gosto. Foi uma boa leitura de avião hoje cedo.

Vou ler... o próximo da fila é Labor day,  - e Landline, claro, que estou guardando prum dia triste :)

terça-feira, 15 de julho de 2014

teaser Tuesdays, temperinho da terça - Claros sinais de loucura, Karen Harrington

Apaixonada pela Sarah Nelson, a protagonista :)

Esse é o Claros sinais de loucura: (mágico).

"Quando você tem seis anos, você fala tudo. (...) Depois, quando você tem sete, você percebe que algumas informações vão voltar e te fazer mal. Aí você aprende o que dizer, quando mentir, quando não dizer nada. Quando você faz oito anos, seus segredos já estão todos trancados nos seus diários."

"É, às vezes eu converso com meu irmão gêmeo morto. Isso é um claro sinal que vou acabar ficando louca, mas com quem eu poderia falar sobre certas coisas? Além de Planta, ele é provavelmente quem me conhece melhor.
Os confidentes de Sarah = um organismo que faz fotossíntese e um irmão morto."



segunda-feira, 14 de julho de 2014

Musing Mondays, (in) sensatas segundas

Musing Mondays asks you to muse about one of the following each week… • Describe one of your reading habits. • Tell us what book(s) you recently bought for yourself or someone else, and why you chose that/those book(s). • Tell us what you’re reading right now — what you think of it, so far; why you chose it; what you are (or, aren’t) enjoying it. • Do you have a bookish rant? Something about books or reading (or the industry) that gets your ire up? Share it with us! • Instead of the above questions, maybe you just want to ramble on about something else pertaining to books — let’s hear it, then! (do blog Should be Reading, lá da minha lista de blogs)

 Resolvi rebatizar o Musing Mondays pela aliteração Sensatas Segundas. Aí, ponderei, vocês vão concordar que com razão, que baseada nas últimas segundas, não dava pra garantir muita sensatez, e acrescentei o prefixo para garantir a credibilidade...

Book shelfie (autorretrato, ou selfie, da estante), próxima parte, tags book shelfie:


Me lembraram que faltava as bagunças!
Aqui no canto, atrás da mesa de jantar, eu tenho prateleiras; nelas, existe toda sorte de coisa. Em sua maioria, coisas de memórias...
Nas caixas de cima, são fotografias. Nas do canto, são lápis e canetas (coleciono e sempre peço pra quem vai viajar me trazer). Aí tenho canecas de lugares pros quais fui, quadros idem, caixinhas idem, mementos de viagem diversos, de tudo quanto é lugar.
Em cima, os cds do Elvis, uma das primeiras coisas que comprei com meu salário, e livros do trabalho. A única prateleira que não dá pra ver é a de baixo, a que tem chick lit, vai depois.


 Aí, embaixo daquela da Isabel Allende, na altura dessa caixa marrom desse canto direito inferior, vem esse nicho aqui:
Ele tem Paul Auster, inclusive o autografado (um que na verdade é dispensável, o roteiro de Lulu on the bridge, mas era oq ue eu não tinha quando do autógrafo...), os da Lygia, e coloquei o Bulgakov junto).

Tenho também a prateleira francesa, me enganando que eu sei mais que sete palavras na língua (fiz dois anos de Alliance Française há dez, mas como prova viva de que a habilidade oral só existe se praticada, gaguejo como uma criança de um ano pra dizer QUALQUER COISA).

Próxima semana a gente se vê (dá pra notar que eu não tô arrumando a casa pra visita, né?)

quinta-feira, 10 de julho de 2014

tag

Essa eu 'roubei' do Bookshelf reflections, que por sua vez roubou de um blog fofo (aka temvárias listas chamado Novel heartbeat) (cortei algumas, que já cobrimos por aqui:))
1. If you had all the money in the world, where would you go? (Se você tivesse todo o dinheiro do mundo, para onde iria?) 
To all of the world! Some of the places I've already been to and loved (Italy, France, Spain - only know a fraction of them and am certain I would love all of it) and some I'd love to check out (Portugal, Greece, Ireland, Scotland). Eventually, I might find a magical place with wall to wall books, trees and a river, - and wifi of course - to settle.
Pro mundo todo! Alguns dos lugares pros quais já fui e adorei (Itália, França, Espanha - só conheço uma fração deles e tenho certeza que adoraria o restante) e alguns que adoraria conhecer (Portugal, Grécia, Irlanda, Escócia). No fim, poderia tentar achar  um lugar mágico com paredes cheias de livros, árvores e um rio - e wifi claro - para me acomodar.
2. We all suffer from the-book-is-better-than-the-movie syndrome, but are there any film adaptations that were better than the book? If so, which? (Todos nós sofremos da síndrome o-livro-é-melhor-que-o-filme, mas há alguma adaptação de filmes que foram melhores que o livro? Em caso positivo, quais?)
Not necessarily better, but We need to talk about Kevin had a decent film, and it was a hard one to make.
Não necessariamente melhor, mas Precisamos falar sobre Kevin teve um filme bom, e era algo bem difícil de conseguir.
3. Name five characters of any book, dead or alive, with whom you’d like to hang out with for a day. Cite cinco personagens de qualquer livro, vivos ou mortos, com quem você gostaria de passar o dia.
Lyra Belacqua, (Philip Pullman)
AJ Fikry (ou talvez a Maya, maybe Maya) (Gabrielle Zevin)
Rob (Nick Hornby)
Becky (Sophie Kinsella)
Eva Luna (Isabel Allende)
Jubiaba (Jorge Amado)
5. Who is your ultimate literary crush? Por que personagem literário você tem uma grande 'queda' ?
The Count of MonteCristo is an old fling of mine :P Ah, o Conde de Monte Cristo é tudo, né?
6. Do you prefer hardcovers or paperbacks, and why? Você prefere capas duras ou edições de bolso, e por que?
That depends: if it's a book I'll definitely keep, and a beautiful edition, hardcovers. Otherwise, paperbacks.
Depende: se é um livro que definitivamente vai ficar na estante, e uma edição bonita, capa dura. Caso contrário, edição de bolso.
7. What are your favourite themes when reading fiction? What about non-fiction? Quais são seus temas favoritos ao ler ficção? E não ficção?
Fiction: besides the genres (YA, dystopian, chick lit), right? I think families and relationships, what else? and non fiction, the details of the lives of people who made history (like Olga BEnário Prestes).
Ficção: além dos gêneros (juvenis, distópicos, chick lit), certo? Acho que famílias e relacionamento, o que mais? e não ficção, os detalhes das vidas das pessoas que fizeram a história (como Olga Benário Prestes).
8. Have you learned any valuable lessons when reading certain books? If so, tell me one. Você aprendeu lições valiosas ao ler algum livro? Em caso positivo, conte uma.
I am sure I have, but can't for the life of me remember them now. Maybe how to read people, like Justin March does in Richelle Mead's books, but it's just because I finished the book last night.
Tenho certeza que sim, mas não consigo me lembrar agora. Talvez como é importante ler as pessoas, como Justin March faz nos livros da Richelle Mead, mas acho que é porque terminei o livro ontem.
9. How do you decide which book to read next? Como você decide o que ler em seguida?
Mood, mostly. Sometimes, goodreads, amazon or blogger friends' suggestions.
Meu humor, na maioria das vezes. Algumas vezes, goodreads, amazon ou sugestões de blogueiras :)

quarta-feira, 9 de julho de 2014

QQQ Quartas, www Wednesdays

Should be reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…• What are you currently reading?• What did you recently finish reading?• What do you think you’ll read next?

basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?



O que eu terminei:
Três livros daqueles gratuitos (descobri uns três ou quatro sites que me mandam dicas de livros gratuitos diariamente, e às vezes tem um ou outro que vale a pena terminar): Providence, da Jamie McGuire, a mesma de Beautiful Disaster, que todo mundo gosta, Loving her, da CM Hutton, Velório sem defunto, poemas do Mário Quintana (como eu digo sempre, não sou entendedora de poemas, mas o Mário Quintana soa como um cronista simpático e é impossível não sorrir lendo suas páginas), That boy, da Jillian Dodd, uma fofura de YA, completo com menina-que-gosta-do-amigo-e-não-sabe-que-outro-amigo-a-ama, e os títulos principais da semana:
Dear life: STories, da Alice Munro (lá vai: gostei de uns três contos. Pride, In sight of the lake, e um outro no começo. Ontem estava falando com a Tati e falamos de livros de contos e de como não vamos gostar de todos e tudo bem. Talvez a expectativa tenha sido alta também. Mas eu esperava que pelo menos um ou dois dos contos fossem incríveis o suficiente pra eu pensar, Ah, that's what all the fuss is about, como aconteceu com outras pessoas, e não rolou.)
the best for last (o melhor pro fim):
The silkworm, do Robert Galbraith (JK Rowling)
Já mencionei que amo a JK Rowling?
Vamos lá: a resenha da Cultura tá aqui. O detetive é chamado pela mulher de um escritor chamado Owen Quine, que desapareceu. Logo se descobre que ele morreu, e o último livro que ele escreveu, nas mãos de editores e inimigos antes da sua morte, cheio de simbolismos absurdos, escatológicos e muitas vezes de mau gosto, pode ser a chave pra descobrir o que aconteceu. Lá vai o Cormoran Strike tentar descobrir.
Achei que, ao contrário do primeiro livro, foi mais surpreendente saber o que havia acontecido - não gosto muito disso, já falei antes. Mas tive uma reação física (sabe, nosssaaaaa!) quando li, então funcionou. Ou seja, não perdeu o apelo. Também achei que algumas partes foram cansativas, porque a descrição do livro que o Quine escreveu é exaustiva, muito cheia de detalhes sórdidos. 
Por outro lado, a gente se sente mais próxima do Strike, e ao contrário de muitos livros de mistério, eu gosto do fato de que tenho a impressão de que ele é realmente o personagem principal, e não um marionete que descobre o assassino. A gente o vê de verdade, com reações, gostos, expressões, sabe? assim como a Robin. Acho que esse é um dos principais talentos da JK Rowling. Eu terminei o livro triste porque ele estava saindo da casa e eu não saberia mais o que acontece com ele até o próximo livro, rs...


O que estou lendo: Começo hoje Landline, da Rainbow Rowell, que está rapidamente se tornando uma favorita. Ontem tive um minuto de emoção *leia-se gritinho histérico - quando a Amazon me avisou que o livro que eu tinha pré encomendado havia sido baixado. Yay! 


O que lerei em seguida: Então. Fiz de novo. Comprei quatro livros ontem. Culpa da Tati. Mentira, a culpa dela foi só de dois, o da Paula Pimenta que ela me deu e jurou que eu podia esconder a capa rosa em público e um outro que se chama La velocidad de la luz e cujo autor, Javier Cercas, ela jurou ser incrível. Ah, culpa minha, rs, porque aceitei que a gente se encontrasse na Livraria Cultura e ficasse três horas inteiras discutindo livros, era de se esperar que um prejuízo rolasse... (na verdade também saí com mais três títulos anotados rsrs). Comprei também o Claros sinais de loucura, da Karen Harrington, e um da Jhumpa Lahiri, chamado Aguapés, com uma edição linda (ela é aquela do Namesake que eu amo).


terça-feira, 8 de julho de 2014

Teaser Tuesdays - temperinho da Terça - The silkworm - Robert Galbraith/JK Rowling

Que delícia de livro...  The silkworm é o segundo livro com o Cormoran Strike.

Pedacinho/temperinho:

“The argument had been in full swing when Matthew’s father telephoned with the news that a funny turn Matthew’s mother had suffered the previous week had been diagnosed as a mini-stroke. After this, she and Matthew felt that squabbling about Strike was in bad taste, so they went to bed in an unsatisfactory state of theoretical reconciliation, both, Robin knew, still seething."

Numa tradução absolutamente tosca e livre, esse parágrafo seria algo como:

"A discussão estava em altos brados quando o pai de Matthew telefonou com a notícia de que o que realmente havia acontecido com sua mãe na semana anterior havia sido diagnosticado como um leve derrame. Depois disso, ela e Matthew sentiram que discutir sobre Strike seria de mau gosto, portanto foram para a cama em um estado insatisfatório de reconciliação teórica, ambos, Robin sabia, ainda furiosos."

Não dá pra sentir na pele o humor britânico e o clima da sala? Dá pra não amar a JK?

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Musing Mondays, (in) sensatas segundas

Musing Mondays asks you to muse about one of the following each week… • Describe one of your reading habits. • Tell us what book(s) you recently bought for yourself or someone else, and why you chose that/those book(s). • Tell us what you’re reading right now — what you think of it, so far; why you chose it; what you are (or, aren’t) enjoying it. • Do you have a bookish rant? Something about books or reading (or the industry) that gets your ire up? Share it with us! • Instead of the above questions, maybe you just want to ramble on about something else pertaining to books — let’s hear it, then! (do blog Should be Reading, lá da minha lista de blogs)

 Resolvi rebatizar o Musing Mondays pela aliteração Sensatas Segundas. Aí, ponderei, vocês vão concordar que com razão, que baseada nas últimas segundas, não dava pra garantir muita sensatez, e acrescentei o prefixo para garantir a credibilidade...

Book shelfie (autorretrato, ou selfie, da estante), próxima parte, tags book shelfie:


Acho que acabamos aqui, não? terminamos com aquela prateleira que está cortada pelo fio do notebook (a edição das fotos aqui é profissional minha gente); ela começa com chick lit, passa por livros infantojuvenis, incluindo a série da Stephanie Meyer, e termina com Harry Potter.


Aí temos a rainha do chick lit, minha linda Sophie Kinsella:

Próxima semana, tiro uma foto com tudo. Nos nichos fechados, pra ninguém ficar curioso, tem: gibis, revistas de ELT, presentes (começo a comprar presentes de Natal em janeiro, ou quando quer que eu veja algo que tem a cara da pessoa).

quinta-feira, 3 de julho de 2014

A propósito

Gente, achei esse texto muito bom e relacionado com o que falamos nessa semana (Silvia e Maria, se vocês tiverem por aí, vamos levantar a bandeira dos livros que queremos ler e nunca dos que o mundo quer que leiamos ou do que só nos sentimos obrigadas :P)
http://homoliteratus.com/dicas-para-voce-ler-todos-os-livros-que-deseja/

Afinal, há tantos livros que desejamos ler! Um brinde a eles!

Divirtam-se :)

DNF (Did not Finish) - os livros não terminados


Dá pra enxergar? Caso não, o link tá aqui: https://www.goodreads.com/blog/show/424-what-makes-you-put-down-a-book
Achei isso tão  legal!
O que faz você largar um livro? Por quê?
Qual o último livro que você largou? Em que momento?

quarta-feira, 2 de julho de 2014

www Wednesdays, QQQ Quartas




Li... eu sei que é uma vergonha, mas essa semana foi megacorrida e eu fui trabalhar de carona ou de carro (ou seja, não tive metrô para ler), e em casa tive muitas coisas para fazer, então não terminei de ler nada.
Estou lendo... Dear life, da Alice Munro. Tenho de dizer, até agora (tô na metade), não tô impressionada não. São contos, o que deveria fazer com que fosse bem mais legal, porque contos são pílulas muito possíveis de encantamento, pra mim. (Existem alguns autores cujo trabalho eu conheço muito pouco, como Joe Hill ou Katherine Mansfield, mas cujos livros de contos absolutamente me fascinaram, por exemplo). Eu gostei de um, pra falar a verdade, até agora. Uma história que inclusive me deixou com vontade de quero mais, de saber os detalhes atrás de cada parágrafo.
Com isso, dei uma paradinha na Isabel Allende, que me delicia, e que não é nenhum sacrifício.
Vou ler... entãaaao... tenho de confessar que comprei o Thesilkworm, que é continuação do livro da JK Rowling com o Cormoran Strike, lembra? (link aqui). Então acho que ele vai pular umas posições na fila...