Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Q Quartas, www Wednesdays



Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


Terminei Aguapés, da JhumpaLahiri.  Olha que edição linda! Não deu pra resistir. A tradução também estava ótima, só achei uma única frase estranha (um momento  no qual a Guari diz “Eu tinha que deixar” querendo dizer ‘leave’, que é deixar o lugar, nesse caso a Índia. – tive que fazer esse círculo de pensamento para entender a frase, o que quer dizer que a tradução não foi primorosa como no resto do livro.). A Companhia das letras dificilmente erra.
Enfim, alguém no goodreads escreveu que às vezes lia Jhumpa Lahiri pela história, e às vezes simplesmente pelo puro amor à narrativa. Achei que era esse o caso. Gostei mais da história de The namesake (O xará), mas me vi lendo Aguapés (The lowland) em duas noites, com uma taça de vinho ao lado e muitos sentimentos empáticos pelos personagens, embora eles não sejam fáceis de gostar. A história dos irmãos, juntos e separados, suas relações com os pais, a relação de Shubash com Guari e depois com Bela, a relação de Guari com Bela, tudo tem um significado dentro da história. E Jhumpa sempre consegue traduzi-lo em emoções. Gosto muito dela.
Li Claros sinais de loucura, daKaren Harrington, porque tinha uma cara simpática e porque alguma blogueira fez uma apologia muito convincente ao livro. Já estava apaixonada na página 14, e nunca me desapaixonei. Sarah tem 12 anos, mas não senti a vergonha alheia que às vezes sinto ao ler YA narrado por uma protagonista problemática; pelo contrário, ela foi fofa, convincente, e mesmo se ela não tivesse esse amor profundo pelo livro O sol é para todos e pelo Atticus Finch, tenho certeza que ela seria adorável por sua própria história. Lá pro fim eu fiquei com um pouco de medo da coisa descambar... mas não, pode relaxar. O tom se manteve, nada terminou de modo perfeito, foi interessante e real como deve ser. Amei.
Li Fazendo meu filme , A estreia de Fani; a Tati Feltrin me deu dizendo que eu ia amar e... meu passado me condena, desde Ana e Pedro (Vivina de Assis Viana), A hora do amor ou afins. Sim, já perdoei a capa rosa e sim, vou comprar os outros volumes nesse fds; preciso saber como termina...
Li Passarinho, da Crystal Chen. Acho que meu gosto bate com as recomendações do The Guardian, que foi o que me atraiu. Joia é uma menina de ascendência bem diferente (jamaicana, mexicana e branca) que vive em Iowa com o vô mudo e brabo, o pai supersticioso e a sombra do irmão que morreu no dia que ela nasceu. Vou só dizer que ela faz uma bela limonada com todos esses limões :)
Li Um romance inesquecível, só porque era do J Ward, escrito sob pseudônimo. Mas foi bem esquecível, pra falar a verdade.
Li O começo de tudo, da Robyn Schneider. Agora estou pensando que o livro só funciona se der pra pensar que realmente era o começo, e o personagem principal vai virar alguém interessante em algum momento... Ezra é um adolescente tão sem noção de tudo que acontece à sua volta (bom ou ruim) que o fato de ser raso acaba sendo perdoado, porque afinal, tem 17 anos - por outro lado, eu acabei de ler alguns outros livros com personagens até mais jovens que efetivamente tinham personalidade e autoconsciência... enfim, acho que ele tem potencial para se tornar um herói interessante... em 15 anos. Por enquanto, é só chatinho e meu Deus, olha em volta e olha pra si de vez em quando!

Estou lendo o livro que peguei do Bookcrossing, The Beach trees, da Karen White. Ainda é cedo pra dizer se gosto. Foi uma boa leitura de avião hoje cedo.

Vou ler... o próximo da fila é Labor day,  - e Landline, claro, que estou guardando prum dia triste :)

6 comentários:

  1. Fazendo meu filme está sempre na livraria que frequento, em local de destaque. Está sempre próximo ao livro Diário de um banana e fica chamando a atenção. Já quase comprei por duas vezes e desisti porque fiquei com a sensação que a personagem principal poderia me irritar. Acho que isto é loucura minha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que eu pensei em você lendo? a Fani não é esperta como você gosta, rs, mas acho que pode ser algo que te atraia.

      Excluir
    2. Depois que terminar a série Diário de um Banana, vou experimentar!

      Excluir
  2. Bom saber que esse da Jhumpa Lahiri está com tradução decente. Eu evito ler livro traduzido do inglês, mas às vezes acabo comprando porque o livro já tá lá na livraria, pisca pra mim... a versão em inglês precisa ser encomendada... (ainda não me rendi aos e-books).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Honestamente, é raro ler alguma tradução na qual não exista algum momento no qual você se veja pensando, ah, o original devia ser assim... mas acho que isso é o drama de professor de inglês, rs. As traduções da Cia das letras são boas. In any case, rs, acho que vale encomendar o original, pelo menos do The namesake.

      Excluir
  3. O Namesake eu li em inglês. E esse negócio de ficar passando para o inglês quando se está lendo uma tradução eu faço direto, rs... Até quando a tradução está boa...

    ResponderExcluir