Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

QQQ Quartas, www Wednesdays

Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, seria um Q Quartas, três perguntas com Q:


o Que você acabou de terminar de ler?
o Que você está lendo atualmente?
o Que você acha que lerá em seguida?


Terminei a coleção do Fazendo meu filme, da Paula Pimenta: tinha lido o volume 1, que ganhei da Tati (Feltrin, dizendo que apesar da capa rosa eu super ia gostar), e me rendi depois dele comprando os volumes 2, 3 e 4 e lendo em dois dias. A verdade? É realmente fofo, senão por mais nada, porque segue a receita que dificilmente dá errado: a) menina-como-a-gente (em inglês existe a expressão girl next door pra traduzir essa ideia de que 'podia ser qualquer uma de nós') - na verdade, ligeiramente mais dramática e um pouco mais sortuda e classe média mais alta que a maioria de nós, mas você entendeu o que quero dizer. b) menino-absolutamente-fofo-que-era-amigo-dela-e-subitamente-se-descobre-que-sempre-foi-apaixonado-por-ela - atire a primeira pedra quem nunca teve ou quis ter um desse. Eu sempre achei que amor amigo era o melhor e mais fofo dos tipos. c) trilha sonora d) dramas o suficiente (na minha opinião, quase sempre uma colher de sopa a mais do que o necessário, mas enfim, me prendeu até o último capítulo) para fazer com que a gente acredite no amor de destino. Assim como a Fani, a personagem principal, acha que não há comédias românticas no país (ela chama de 'filme de amorzinho', o que sempre me remeteu na verdade à outras coisas, mas enfim), a gente sabe que não há muitos livros que sigam esse mesmo 'roteiro', e sua originalidade acabou se tornando a carta mais legal.

Estou lendo A festa da insignificância, do Milan Kundera; é engraçado como tem autores que tem um estilo muito próprio. Me lembro de muitos anos atrás ter lido A insustentável leveza do ser, não sei nem se compreendi inteiramente todas as sutilezas que ele quis passar, mas lendo esse livro, acho que tem sabor de literatura antiga, seja pelo tipo de narrativa, seja pelo espírito dos personagens. Pena que ele é curto.

Vou ler em seguida... hm... tão me chamando ali na cozinha! (Na verdade comprei um Mia Couto junto com o Kundera, mas tô pegando nervoso dessa escolha).

Nenhum comentário:

Postar um comentário