Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

www Wednesdays, QQQ Quartas, O que estou lendo?

Should be Reading (fonte)

To play along, just answer the following three (3) questions…
• What are you currently reading?
• What did you recently finish reading?
• What do you think you’ll read next?


basicamente, Q Quartas, três perguntas com Q:


O que terminou de ler?
O que lerá em seguida?
O que você está lendo?

Terminei The Countess, da Rebecca Johns. Um livro que havia sido comprado há muito tempo, porque a prerrogativa parecia interessante - algo que misturava realidade e ficção, sobre um membro da nobreza húngara, Elizabeth Bathory, que viveu entre 1550 e 1650, e é conhecida na história como a primeira assassina em série do sexo feminino.
Acontece que o livro é contado através de cartas que ela escreve da torre da prisão para o filho mais novo, Pál, já viúva, quando foi acusada, e conta desde sua infância até aquele momento - e ela parece um ser humano muito razoável por 95% do livro. Há um episódio que soa como um momento absolutamente de loucura, no minuto antes da prisão, mas até lá, eu tive de reler a sinopse duas vezes, pensando, Sei lá, comprei faz tempo, vai que entendi errado... Ela é absolutamente preto e branco, com um senso de 'justiça' que pune os culpados das maneiras mais cruéis, - por exemplo, a costureira acusada de roubar uma saia é colocada, nua, para trabalhar no jardim, coberta de mel, atraindo insetos a tarde toda sob o sol. E percebe-se que não há nenhum sentimento dela envolvido nisso, o que é um indício psicopata. Mas eu achava que o livro seria outro.
Enfim, expectativas à parte, a narrativa é interessante, e sob a perspectiva de ficção histórica, um livro bem escrito.

Terminei Mambo in Chinatown, da Jean Kwok. Eu me apaixonei por ela com Girl in translation, porque adoro livros que narram a vida sob a ótica de imigrantes, principalmente narrados pelos filhos deles (Freud nem precisa explicar, né? sendo eu filha de imigrantes espanhois que vieram pro Brasil aos 18 anos). Esse livro tem um pouco menos disso. Há um tema central bem importante e peculiar, sobre medicina ocidental, a relação do patriarca com seu irmão mais velho e com as mulheres, enfim, mas é algo menor que no livro anterior. E claro, é um pouco Dirty Dancing (Eu esperava um pouco "Baby doesn't stay in a corner" no penúltimo capítulo), com um pouco de conto de fadas demais, mas a Charlie merecia. Sabe aquela personagem que não é bonita, não é inteligente, não é articulada, não tem sorte, nem dinheiro, e ainda assim você gosta? É preciso ser boa contadora de histórias pra fazer isso, e a Jean Kwok é.



Li também cinco outros livros que eram meio chick lit (estou na pegada "terminar meu desafio de leitura do Goodreads, então quis livros que eu pudesse terminar em uma hora + me livrar das prateleiras de Freebies, os gratuitos que eu baixo e acabo deixando pra depois). Eles eram Confessions of a chocaholic, The last single girl, Champagne and lemon drops, Zoe and the tormented tycoon e His secretary: Undone. As reviews estão no goodreads, aqui

Estou lendo O morro dos ventos uivantes, o clássico do mês de novembro :)

Já viu que eu prometo ler uma coisa e vou pra qualquer outro lado, né? Nem sei porque me dou ao trabalho... 

Um comentário:

  1. Não sei você, mas eu leio os livros imaginando tudo em minha mente e ler O morro dos ventos uivantes com a imaginação fértil que tenho é de arrepiar. Boa leitura!

    ResponderExcluir