Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »

sábado, 28 de novembro de 2015

ainda estou aqui! A Leticia some, mas lê :)

gente, vergonha total desse sumiço! até a Maria reapareceu (senti sua falta!) e eu hibernando... I wish. Trabalhando muito, foquei em ler, e nao vim aqui contar o que.

Vambora entao: neste mês, eu li 32 livros. (até agora, porque estou no meio do Toda a luz que não podemos ver, do Doer.

Vários foram aqueles romances de sentar e ler em uma hora (16 deles), alguns foram não ficção (um sobre a sala de aula virtual e um chamado A arte de ler, uma elegia aos livros e como mudam nossa vida cheio de fofura. A need to kill, sobre um serial killer da década de 80), alguns de autores populares tipo J Ward e chick lit (Carina Rissi, que é bem simpática, Sarah Mlynowski, Gemma Townley, Katie Fforde), três YA (Fallen, da Lauren Olivier - ainda não sei se vou ler a série; não foi fascinante - A lista negra, da Jennifer Brown e o da Katja, aí embaixo),  um contemporâneo (Fama, do Daniel Kehlmann) e alguns que merecem contar pra vcs e são variados entre esses gêneros:


  • o mais recente do Robert Galbraith, que é na verdade a JK Rowling, chamado Career of evil, incrível como os anteriores, continua com o Cormoran Strike, o detetive com mais personalidade do mundo.
  • o mais recente da Sophie Kinsella, o oitavo Shopalolic, no qual ela vai "resgatar" o pai em Vegas - já falei que amo essa mulher?
  • O filho de mil homens, do Valter Hugo Mae, que eu não conhecia e cuja primeira historia é sensacional num nível Oscar e Nobel e outras premiações. Gostei tanto que parei de ler ali, deixei que a história fosse mais absorvida e só aí continuei.
  • um livro chamado Mar de tranquilidade, da Katja Millay, que entrou pra lista dos YA mais queridos. Lindo :)
  • o Put some farofa, do Duvivier, que me fez rir alto e acenar diversas vezes em concordância.


e vc, o que fez esse mês?


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

6on6 - outubro

A gente ficou aqui no feriado, e foi pro Ibirapuera. D. queria andar de bicicleta. Eu, que não sei andar de bicicleta, fiquei abraçada por um tronco de árvore lendo.






Aí fui ver minha amiga que voltou dos EUA e ganhei montes de presentinhos e encomendas!!! <3


Pra não perder o hábito, Jamie me fazendo comprar litros de material de limpeza pq adora deitar na mesa:



Aí, gente, maior emoção do mês: ganhei os livros da Rita Lobo, por quem eu me tornei vagamente obcecada, e num fim de semana, fiz cinco receitas! (nota do Editor: eu sei fazer tipo três coisas na cozinha, nada elaborado: molhos de macarrão, um ou outro bolo/sobremesa, e tá, sei fazer arroz). Fiz dela: ensopado clássico de músculo com purê de batatas (pedido do D.), bolo de limão, bife à milanesa, suflê de queijo. (abaixo) TUDO ficou ótimo! Amo essa mulher.



Essa foto inclusive dava um merchand,hein? hein???



Pra não perder o hábito, uma foto de uma das pequeninas: essa é a Prue, esperando eu abrir a portinha do móvel novo que minha mãe nos deu.








domingo, 1 de novembro de 2015

Andanças de outubro!

Arturito - então, esse vale algo estendido; pelo espírito Masterchef e porque foi o único lugar realmente novo que eu visitei:

entrada: fomos de belisquetes (uma sessão da carta de cocktails) e fui de choripán, que tem linguiça artesanal e me traz lembranças de Argentina que achei que seriam bem cuidadas, já que a Paola é de lá. Pois a primeira tristeza veio com o sanduíche: embora num pão meio de brioche, gostoso, vou arriscar dizer que o que havia nele era mostarda dijon, que eu abomino. A linguiça era honesta, mas só. Ou seja, nem pensar valeu os 28 reais.
bebemos: uma cerveja chamada Domina (ele), super aprovada, e uma bebida sem álcool chamada Cordial de gengibre ou algo assim, com laranja, limão, água com gás e gengibre, bem gostosa e refrescante.
escolhemos um prato que acreditamos representar a culinária da casa, o Ojo de bife brangus. Ponto superpositivo: o molho estava incrível - tinha algo no tempero que fez toda a diferença; o ponto da carne, impecável; macia e saborosa. A batata Robuchon (descobri depois que é em homenagem a um chef Michelin cinco estrelas com esse nome, que tem um purê de batata Ratte com queijo incrível) estava perfeita, uma trouxinha fofa com textura de suflê quase.
Agora, seguinte: tudo isso estava extremamente bem executado, mas não mudou minha vida. Eu meio que esperava que tivesse mudado; por ser um restaurante de uma chef muito relevante, por ser algo do escopo de expertise dela, e bom, por ser 72 reais um prato. Consigo pensar em dois restaurantes nos quais gastei essa grana no prato e de fato foram refeições memoráveis - e sei que isso vem da opinião pessoal, mas né...
Fomos então pra sobremesa. Escolhemos tiramisu mangiare e Pot de crème de intenso chocolate amargo e iogurte caseiro, combinando dividir as duas. Ou seja, tenho aqui duas opiniões também, assim como no ojo de bife.
o tiramisu estava superafogado no café, e eu juro por tudo que não parecia de um restaurante legal, tirando o que até aqui havia sido pelo menos uma constante, a execução perfeita; - talvez só por com certeza ser mascarpone e não, sei lá, cream cheese. Mas vamos lá, eu já fiz tiramisu em casa, e usei mascarpone. E também não estava incrível, né. Mas eu não trabalho no restaurante da linda da Paola Carosella. (acho que ela é linda, chique, esperta e elegante). E o creme de chocolate... afe. O iogurte era uma colher em cima do ramequim, nem aparecia. a textura inicial era de creme brulee, mas embaixo, estava salgado! e com temperatura ambiente, e sem graça. o que o salvou: era acompanhado de dois cookies, que esses sim, como diria o jurado do outro programa de culinária, 'eu comeria em quantidades absurdas'. Por esses, eu pagaria os 20 reais da sobremesa. Nem pedimos café, porque como de hábito, o espresso é de ouro e custava 6,20. Temos uma Nespresso em casa e já acho pesado pagar 1,80 por café na minha própria cozinha... :P
Resultado: foram 311 reais de conta para duas pessoas, vontade satisfeita de conhecer 'o restaurante da Paola', mas SE eu voltar, vai ser só porque é conveniente/fui convencida/temos uma paixão por essa moça.