Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »
Mostrando postagens com marcador clássicos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador clássicos. Mostrar todas as postagens

sábado, 15 de abril de 2017

1a. quinzena de abril - aleticiale2017

Li/I've read...


9th and 13th, by Jonathan Coe - a very short book with some stories, one of them brilliant and the others, imho, just okay. I love Coe, however, and strongly recommend you try this one as the appetizer for his other books.

Otherwise Pandemonium, by Nick Honrby - this very short book has two stories, and the first one is great: a high school student finds out, almost by accident, a VCR (yes, who remembers those?) that fasts forward to the future, and instead of making money, he basically uses it to predict doom and lose his virginity. Ah, the innocence of the youth lol. But Hornby has this streak for narrative that is friendly and fluid, and you always want more.

The wave, Todd Strasser - based on a real story, an experiment that took place in California in 1969, and turned into a movie and a series, I think (I saw the movie), the book is my yearly re read. It never ceases to be shocking, though. And sad. and interesting. And slightly crazy. Just like the facts that originated the beginning of the experiment - the curiosity of a bunch of students about the Nazis and their way of thinking. Definitely worth reading.

Literatura comentada, Mario Quintana - Todos esses que aqui estão, atravancando meu caminho/eles passarão/ eu passarinho! - não dá pra ser mais fofo que isso, né? mas dá. A prosa é tão doce e bem escrita quanto a poesia, e esse é um velhinho pra se conhecer.

É agora como nunca: Antologia incompleta da poesia contemporânea brasileira, organizado por Adriana Calcanhoto - se eu já conheço pouco poesia, imagina a contemporânea. Conhecia dois ou três nomes, e é sempre interessante saber o que se está escrevendo por aí. Isso dito, como toda antologia, o gosto de quem escolheu é ligeiramente pessoal, e embora a temática seja excelente - o agora - nem todas as poesias "conversam" do mesmo jeito comigo como leitora.

Tudo que nunca contei, Celeste Ng - estava na minha lista há anos. e imagino que vá entrar em voga novamente, com a tal série advogando o suicídio (13 reasons why) do Netflix. Mas fiquei com gosto de quero mais. Achei que terminei o livro querendo saber tão mais sobre todo mundo, com a sensação de que não conheço ainda nem a Lydia, que perdemos no primeiro parágrafo, nem Hannah, que queria muito conhecer, nem seus pais, que vão do imperfeito ao quero ser perfeito que me deixou insatisfeita, nem o entorno. Acho que abordar um assunto como esse requer mais profundidade, mais empatia, mais amor, e mais informação. Ou seja, não foi detestável, mas não gostei. não teve a empatia de All the bright places, nem o lirismo de The wrath and the dawn.

Cinco esquinas, Mario Vargas Llosa - livro desconhecido para mim do Vargas Llosa, depois de Travessuras da menina má, então altas expectativas, né? pois eu realmente não gostei. Achei meio mais do mesmo, achei muito sexual, achei a trama meio óbvia sem ser interessante, meio novelesca sem ser reveladora... sei que soa feio, mas se não fosse dele eu teria largado o livro. como era, fiquei insistindo esperando ser algo mais interessante do que se tornou. Nunca melhorou. Decepcionante.

My not so perfect life, Sophie Kinsella - oh, how much I missed her <3 and she didn't disappoint me. Even if there were some hollywoodian turns, they were not predictable and it was fun and interesting. Her voice is always the same, and it feels like the person whose sense of humor totally reflects yours, you know? I start smiling by the beginning of the sentence knowing how it is going to end many times. It actually led me to...
a Shopaholic marathon! (actually, a Kinsella marathon, but I'm nothing if not thorough, so I started with the first book I read from her, Confessions from a shopaholic)
I've re read all seven books:
Confessions of a shopaholic - my mind had been playing tricks on me, because I didn't remember important bits, such as Tarkin's first crush or Suze's real looks or how she manages to get rid of debt in this book - Ihad got it confused with the second book. So see, it was great re reading it!
Shopaholic takes Manhattan - I can only imagine what it is like for a Brit shopaholic to go to NY for the first time. The brands, the outlets, the strong currency... I'd go crazy too, lol! and also, Luke <3 and one of my favorite scenes, the t-shirt worn as fashion because she packed light.
Shopaholic ties the knot - the double wedding is something only Becky Bloom would do. At least, believably.
Shopaholic and sister - one of my least favorites. Jess annoys me, Becky seems under the weather for most of the book, Luke is all macho, I don't like it.
Shopaholic and baby - Kinsella being creative all over again. That Venetia is almost Mexican soap opera worth it.
Mini Shopaholic - Even if Minnie sounds a bit of a nightmare, the ending made it all worth for me. I love it.
Shopaholic to the stars - Again, not a favorite: too much drama, too much side plots - I don't care so much about all that soap opera thingy celebrities do - and sadness that doesn't agree with her. Also, where's Minnie?
I still have to read Shopaholic to the rescue, which vanished from my bookcase - apparently, I have two Wedding nights, though. Anyone for bartering? And then I'm going to go for the random ones, Can you keep a secret?, Twenties girl, and so on, which I absolutely love.


quarta-feira, 15 de março de 2017

aleticiale2017 - 1a. quinzena de março

What makes Sammy run?, Budd Schulberg - this had been on my shelves forever. At some point I had read a great review on this book and bought it second hand, but never got to read it. Then, on my quest for cleaning shelves and reading everything I hadn't, this went to the pile (well, it is not a pile: it is a very organized basket that now comprises titles which wouldn't meet in any cocktail party, I guess). It had a wonderful beginning, narrating the always on the run (no pun intended) Sammy Glick the copy boy soon to be discovered as a sleazy bastard by his boss, Al Maheim, the narrator. The narrator is also the person who asks the question - what makes Sammy run? - even though I think it is pretty obvious. These guys work in the late 30s, early 40s Hollywood, in the world of screenplay writing, and Sammy basically wants out of his old life - his Jewish family, including his old name, his  parents, and most of all, his being nobody. He does everything he can to be mentioned by name, and well, he soon is.
I didn't like the ending, which I thought was abrupt and a bit silly.

The great Gatsby, F. Scott Fitzgerald - oh well, I must admit I like a lot of it: the vulnerability, the shallowness, the sadness. But I wanted to kick Daisy's butt so hard, and I hated the ending, and I don't get it why it is considered such a magic book. Sue me.

The catcher in the rye, JD Salinger
Holden Caufield: a lost boy. I guess that sums it up perfectly. He is right when he identifies the assholes, however.


She: A chave para o entendimento da psicologia feminina, Robert Johnson
Um desses livros fininhos, que vc pega inadvertidamente e senta e... puxa! com o mito de ERos e Psiquê por trás, Robert Johnson usa a simbologia toda para falar do feminino. Dos lutos pelos quais Psiquê tem de passar, da simbologia que Afrodite, a mãe de Eros, representa, de como ela supera - ou não - obstáculos. Já dei a uma amiga e espero que ilumine a vida de várias outras mulheres.


Holding up the universe, Jennifer Niven - #wearealllibbystrout - no, we are really not. I wish we were, though, because she is such a force of nature... something to be reckoned. A girl who had to be removed of her house with a crane, because she was morbidly obese - mostly due to suffering so much from grief. Then, she is homeschooled, and then one day she thinks, what the hell, I should join the school again. She is still very heavy, and will go through what still makes me boil with shame and embarrassment. And she does all that wearing purple bikinis. Ah, did I mention it's also a love story? There's this guy who comes across her way, and well, he should. In any case, it's a YA, and unlike so many others, it actually can teach the girl readers some of what it souls should be made of. I'd be proud of Libby, had I met her.


Pequenas grandes mentiras, Liane Moriarty - Reli porque comecei a assistir a série da HBO e fiquei intrigada - lembrava da Maddie morena, de um filho do meio, de coisas que não apareceram. E gente, como ela é fantástica. O livro teve a mesma maravilhosidade da segunda vez que da primeira, ou até mais, porque não havia a ansiedade da primeira vez. Os personagens são bem construídos, a narrativa é envolvente, é divertido, é profundo... que autora sensacional.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

aleticiale2017 - 2a. quinzena de fevereiro

Cheguei a um terço da meta do ano, o que é bom.

Cartas extraordinárias, organizado por Shaun Usher, que incrível <3. Estava na minha estante há anos, presente da Tati Feltrin, esperando um momento especial. Minha reclamação é que eu gosto de ver as letras das pessoas, e queria ver os originais. Nem sempre tem: a maioria é a tradução e em Times new roman, o que perde um pouco a graça. Mas o conteúdo e a curadoria foram incríveis, que delícia de leitura. Recomendo ainda mais que o das listas, e eu amo as listas.

Breakfast at Tiffany's, Truman Capote. Nem tenho vergonha de dizer que é um desses que estava na minha estante há anos e eu nem me lembrava de ter lido. Por um lado, achei interessante e bem escrito. Por outro, ainda não sei qual o fascínio tão absoluto que a Holly (ou Lullamae) exerce sobre todo mundo. Preciso pensar mais sobre isso.

Histórias de fadas, Oscar Wilde. Depois de ter lido sobre a época de prisão e o fim da vida dele, é ainda mais triste ler essas histórias, que são quase sem exceção muito tristes e meio irônicas. Mas valem a leitura, sem dúvida.

O seminarista, Rubem Fonseca. Emprestado. Achei meio bruto demais pra mim, especialmente o final, muito descritivo. Um policial para meninos, com o perdão do sexismo.

Uma janela em Copacabana, Luiz Garcia-Roza, em compensação, gostei muito. Achei mais sutil e interessante, e o final bem surpreendente.

Claros sinais de loucura, Karen Harrington - essa é uma história para adolescentes, YA, escrita por uma personagem cuja mãe tentou matá-la. Devia ser muito horrível, né? Mas é de fato pungente e bem escrita, adolescente mesmo. Acho isso original. Foi uma releitura, e ainda gosto do livro.

Passarinho, Crystal Chan - outra releitura, que gostei um pouco menos do que gostei da primeira vez, sobre uma menina que vive com uma família e suas tragédias sem saber muito bem o que fazer com elas.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury - gosto tanto da premissa. Gosto menos de algumas partes do desenvolvimento, mesmoq ue entenda que fazem parte do mito. Da inana Mildred, da completamente fora da caixa Clarisse - me parecem muito estereotipadas - e do fato de que aquele final me dá uma sensação de incompletude.

E vamos embora :)

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

aleticiale2017 - 1a. quinzena de fevereiro

Cartas a um jovem poeta, Rainer Maria Rilke. Esse é um pedaço da Carta número 8, que eu reli diversas vezes, acenando com a cabeça daquele jeito que a gente faz quando queria ter escrito e se sente a um tempo estúpido e profundamente intelectual:
No fundo, só essa coragem nos é exigida: a de sermos corajosos em face do estranho, do maravilhoso e do inexplicável que se nos pode defrontar. Por terem os homens revelado covardes nesse sentido, foi a vida prejudicada imensamente. As experiências a que se dá o nome de “aparecimentos”, todo o pretenso mundo “sobrenatural”, a morte, todas essas coisas tão próximas de nós têm sido tão excluídas da vida, por uma defensiva cotidiana, que os sentidos com os quais as poderíamos aferrar se atrofiaram. Nem falo em Deus. Mas a ânsia em face do inesclarecível não empobreceu apenas a existência do indivíduo, como também as relações de homem para homem, que por assim dizer foram retiradas do leito de um rio de possibilidades infindas para ficarem num ermo lugar da praia, fora dos acontecimentos. Não é apenas a preguiça que faz as relações humanas se repetirem numa tão indizível monotonia em cada caso; é também o medo de algum acontecimento novo, incalculável, frente ao qual não nos sentimos bastante fortes. Somente quem está preparado para tudo, quem não exclui nada, nem mesmo o mais enigmático, poderá viver sua relação com outrem como algo de vivo e ir até o fundo de sua própria existência. Se imaginarmos a existência do indivíduo como um quarto mais ou menos amplo, veremos que a maioria não conhece senão um canto do seu quarto, um vão de janela, uma lista por onde passeiam o tempo todo, para assim possuir certa segurança. Entretanto, quão mais humana, aquela perigosa incerteza que faz os prisioneiros dos contos de Poe apalparem as formas de suas terríveis prisões e não desconhecerem os indizíveis horrores de sua moradia. Nós outros, aliás, não somos prisioneiros. Em redor de nós não há armadilhas e laços, nada que nos deva angustiar ou atormentar. Estamos colocados no meio da vida como no elemento que mais nos convém. Também, em conseqüência de uma adaptação milenar, tornamo-nos tão parecidos com ela que, graças a um feliz mimetismo, se permanecermos calados, quase não poderemos ser distinguidos de tudo o que nos rodeia. Não temos motivos de desconfiar de nosso mundo,pois ele não nos é hostil. Havendo nele espantos, são os nossos; abismos, eles nos pertencem; perigos, devemos procurar amá-los. Se conseguirmos organizar a nossa vida segundo o princípio que aconselha agarrarmo-os sempre ao difícil, o que nos parece muito estranho agora há de tornar-se o nosso bem mais familiar, mais fiel. Como esquecer os mitos antigos que se encontram no começo de cada povo: os dos dragões que num momento supremo se transformam em princesas? Talvez todos os dragões de nossa vida sejam princesas que aguardam apenas o momento de nos ver um dia belos e corajosos. Talvez todo horror em última análise, não passe de um desamparo que implora o nosso auxílio.

Não amei o livro todo, houve cartas que me deixaram inerte e acho que não podia ser diferente. Mas houve passagens como essa, que acredito que são o que fazem o livro ser relido desde que foi publicado, há um século.

Aqui estão os sonhadores, Imbolo Mbue. Um desses livros comprados por impulso, porque adoro ler coisas diferentes e a autora era camaronesa - e eu não sei nem apontar Camarões no mapa, e parecia uma narrativa interessante, sobre um casal de imigrantes de Limbe que estava lutando para ficar em NY versus um casal de alta sociedade cujo marido trabalhava no Lehmann Brothers na época do escândalo. Bom, não decepcionou: foi mesmo bem interessante. Não acho que é um livro "muda a sua vida"nem que vou reler a cada x anos - sempre me lembro do Ítalo Calvino e da frase "um clássico é aquele que nunca termina o que tinha a dizer". Esse acredito que terminou, mas foi um discurso que ecoa e é consistente, foi uma ótima leitura.

The age of Innocence, Edith Warton. (A época da inocência). Gente, que surpresa. Eu estava na vibe de limpar a estante dos livros que estavam lá só fazendo volume, e esse, por ser um clássico, era desses que eu jamais teria tido coragem de me livrar. Aí comecei a ler, e começa um pouco lento, mas não muito. o sr. Newland Archer está apaixonado pela May Welland, e tece diversos comentários sobre a sociedade e sobre a prima della, Ellen Olenska, que fugiu do marido conde por alguma razão quase escusa, o que é semi imperdoável para a época. A Edith Warton foi a primeira mulher que ganhou o Pulitzer, em 1921, mas ele foi seu 14o. livro e só um dentre suas muitas obras. Sem dúvida vou buscar outras coisas dela, porque o livro é sutil e profundo, de um jeito que vi pouca gente escrever. Não tem o drama exacerbado de outros clássicos, não é óbvio nem pedante, achei realmente surpreendente. Adorei o final, adorei o fato de que os personagens parecem unidimensionais mas... nesse exato momento, o livro está na minha lista de doação, mas toda vez que penso nele acabo chegando à conclusão de que talvez ele volte pra estante. Vale ser relido.
P.S.: Como eu sou ligeiramente obcecada, fui atrás dos Pulitzer Prizes (que descobri que são dados só para autores americanos, não sabia), e descobri que só li 10% deles. A boa notícia é que os 10% que eu li eram de fato bons, então talvez valha a pena ir atrás dos outros.

Sempre seu, Oscar, uma biografia epistolar - Oscar Wilde. Esse é um sujeito tão plural, e acho tão lindo ser plural. Um cara que conseguiu escrever A importância de ser prudente, O retrato de Dorian Gray e Histórias de fadas, foi casado por anos, e feliz, amava seus dois filhos profundamente, se apaixonou tão cegamente por um cara que o deixou levá-lo à ruína completa, morreu tão pobre e arruinado... é uma vida realmente interessante, embora tão triste. Essa biografia inclui a carta que ele escreveu ao Alfred Douglas, o Boisie, que se eu encontrasse na rua ia ser empurrado pra baixo de uma carruagem. Que sujeito horrível! Wilde podia ser leviano e superficial, mas duvido que merecesse um companheiro tão cruel.

Delirio, Laura Restrepo - uma colombiana que estava na minha estante há um tempão. O livro é fascinante porque fala de um sujeito (Aguilar) que está perdendo a cabeça (comece a notar os padrões) porque não entende o que aconteceu com sua mulher Agustina (e as aliterações) que foi encontrada num estado de delírio num hotel e não recuperou  mais totalmente a razão. Aos poucos, vc vai notando o entorno - a família dela, que é cercada de gente envolvida com o cartel - é época de Pablo Escobar, claro - , o irmão dela de quem nunca se fala e subitamente está presente, e se exilou para poder ser quem é, homossexual - e o ex namorado, de quem dificilmente se entende o papel. A narrativa é delirante como Agustina, a tia que cuida dela tem um papel atrapalhado, e por vezes eu não sabia se era eu com dificuldades com a língua ou a intenção da escritora. Como há muita gente falando bem do livro, imagino que tenha sido eu. Não adorei, mas acho que pode valer a pena tentar.

A Audácia dessa mulher, Ana Maria Machado - esse é um livro que eu adorei desde o primeiro capítulo. Gostei do mote, gostei dos personagens, fiquei torcendo pra ninguém se tornar chato ou maluco. Quando, lá no final, estava achando que ia ser ridículo, eba!, não era. É um paralelo megainteressante, gostei dos personagens principais e dos secundários, e ao mesmo tempo que me lembrou a escrita antiga (Maria Jose Dupre, Vivina de Assis Viana, Pedro bandeira) que eu lia adolescente, me trouxe também novas informações. Vou procurar outras coisas dela. Obrigada, Silvia!

The kindness of strangers, Katrina Kittle - livro difícil, com o tema de abuso infantil, mas que foi difícil de parar de ler, mesmo com a testa franzida e o coração apertado.

What she knew, Gilly Macmillan - That was really, really good. I actually refused to leave the house before finishing it. It was about a boy who went missing with his mom after a walk in the woods and even though as I read it I kept thinking "It can't be this person or that person", you know it can actually be anyone, which is an awful feeling by the way. Lots of secrets came out - a la Lianne Moriarty - and the ending was as fulfilling as such a book can be. I love it when you are so involved with a story you can almost see the characters around you. Good job, Gilly!

Fernando Sabino na sala de aula - li numa sala de espera as 86 páginas de crônicas levinhas e fofas desse mineiro simpático. Gostei muito de uma na qual ele fica tão desacorçoado a respeito de um aviso mal escrito num elevador que perde até o andar no qual ia descer - se chama "Como nasce uma história", e valida o que eu acho sobre o fato de que à nossa volta estão sempre tantas histórias de tanta coisa acontecendo, é só ter os olhos abertos. Bem legal.

E assim caminhamos.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

primeira quinzena de janeiro - aleticiale2017

The perfect girl, Gilly Macmillan, estreou meu ano. Parece não ter ainda tradução em português, e foi ótimo.
It was gripping from beginning to end; even when you want to slap Zoe silly (or, actually, slap her mom, or her uncle, or punch Chris, or ... there's some bottled up anger sipping from the characters' passiveness, attitude or lack thereof.), you want to know what happens a bit more, so you go on. The ending might be a bit predictable, everything considered (I'm really bad at predicting the butler's crime and I had guessed it a whole chapter in advance), but as usual, I think the journey is what truly matters.

A resistência, Julian Fuks - O livro, em tom autobiográfico, é narrado pelo irmão mais novo Sebastián, e começa falando que quer falar sobre seu irmão adotado. Filho de psicanalistas argentinos que buscaram exílio na década de 70 no Brasil, logo ele está falando dos vazios e dos ecos que isso quer dizer, num vai e vem constante. É um livro que não sei se gostei, pra ser bem honesta. Ás vezes sim - me lembrava minha amiga argentina falando, o tom é bem genuíno, me pareceu que até os tempos verbais o eram - e às vezes eu só me cansava.

As fêmeas, Marcelo Rubens Paiva - É uma coleção das crônicas que ele escreveu para o jornal, que eu não leio. Em sua maioria, não gostei. Achei escatológico, ou cru, ou agressivo, e nao estou dizendo que não devia ser - simplesmente não é meu estilo ou não era minha expectativa ao ler.

Olhai os lírios do campo, Erico Veríssimo - Havia lido esse livro quando adolescente, e chorado por Olivia, e odiado Eunice. É interessante reler agora. Novelesco, claro, moralista, sem dúvida, mas tem um toque romântico e sociopolítico (mesmo que isso não seja a ênfase total) que é cativante. Me lembrou muito A cidadela, do Cronin. A questão do médico que se tornou médico para ser respeitado e valorizado pela sociedade, enriquecer, ignorando o proposito da profissão e as pessoas que amava no caminho... enfim.

Senhora, José Olímpio - Falando em novela... Várias reviradas de olhos ao ler a descrição da Aurelia, que basicamente era "espertinha, considerando que era uma moça". É preciso lembrar que foi escrito em 18... , e na verdade era até inovador, já que ela se recusava a depender do tutor e foi, até o fim, senhora de seu próprio destino.

O livro das perguntas, Pablo Neruda - Um livrinho leve de poesia que você quase quer ler para crianças, perguntando por que o sol é amarelo e por que o outono gasta tantas folhas em suas dívidas.

Travesuras de la niña mala, Travessuras de uma menina má, Mario Vargas Llosa - Sensacional. Sabe aquela frase que acho que é do Italo Calvino, de "um clássico é o livro que nunca termina o que tem para dizer"? foi isso que pensei, porque adorei a narrativa, e dias depois de terminar ainda coisas ecoavam em mim. Sensação deliciosa! Pensa que o mote da história é entre o Ricardo e a "menina má"; ela sequer tem um nome próprio real no decorrer todo do livro... e isso não importa, é parte da mitologia. Muito incrível.

Selma e Sinatra, Martha Medeiros - a fase de Martha Medeiros continua forte. Esse é um dos dois romances que ela escreveu, e eu achava que ia ser pior que as crônicas, mas gostei muito. É basicamente a entrevista de uma cantora aos 70 e poucos anos, cuja vida perfeita intriga e incomoda a entrevistadora. O drama de ser gente vem à tona várias vezes, e é gostoso de ler.

O túnel, Ernesto Sabato - um argentino que é muito bom contador de histórias, com um romance que começa falando que ele matou uma pessoa. Bom de ler, né? mesmo o personagem sendo ligeiramente maluco, passional e ciumento (bom, faz sentido). Um daqueles romances nos quais a narrativa se sobrepuja em muito ao cerne da história.

Contos fantásticos no labirinto de Borges, organizado por Braulio Tavares - são contos escolhidos pensando-se no argentino Jorge Luis Borges, e há alguns que ficam em pé realmente sozinhos - adorei A livraria, do Nelson Bond, e tive pesadelos com A terceira expedição, do Ray Bradbury.

A dama das camélias, Alexandre Dumas filho - a história de uma meretriz, Marguerite Gautier,  que se apaixona e é correspondida por Armand Duval. Serei honesta: eu esperava mais. Queria saber da história da mme. Gautier, queria entender a razão das camélias, e embora entenda a delicadeza com que a história foi tratada - a cortesã do século XIX renunciando a seu amor em nome da dignidade do amado (pedido do pai de Duval), o arrependimento de Duval por tê-la tratado vingativa e cruelmente como resposta, a doença que a consome, a falta de perspectiva, enfim - não me convenceu como uma das personagens mais conhecidas da literatura. Também li em algum lugar que a história era verdadeira, mas não encontrei fatos que comprovassem essa hipótese.

O sol se põe em São Paulo, Bernardo Carvalho - livro emprestado, de um autor sobre quem eu não conhecia nada e nem sabia que existia. Veio bem recomendado, e aí as primeiras vinte páginas foram de doer. Difíceis pra mim, lentas, aquele tipo de narrativa do senhor dos anéis, de descrever cada coisa e não ir pra lugar algum... quando eu estava quase desistindo, a coisa engrenou e aí se tornou bem fácil. É uma metahistória da metahistória, vários personagens dentro deles mesmos, reviravoltas e surpresas sobre o que de fato aconteceu com os envolvidos - e onde, e quando. Tive de ler o fim duas vezes e meia, porque houve algumas revelações de coisas que eu não tinha prestado muita atenção, mas valeu assim mesmo.

Como falar com um viúvo, Jonathan Tropper - achei esse livro no sebo perto de casa, tinha uma cara simpática e me lembrou outro Jonathan, o Coe, que eu adoro. A sinopse é como o título, mórbida - o sujeito de 29 anos que perdeu a mulher de 40 num acidente de avião e está deprimido e sem saber como lidar com o enteado adolescente e com a vida de modo geral. Ele nem é interessante, se você pensar muito bem. Mas ele começa a escrever uma coluna com o nome do livro, faz um sucesso danado, ele luta contra a depressão - na verdade, mentira, luta bem pouco; ele passa por aquele período que só quem perdeu alguém sabe, que é não querer lutar contra a depressão porque ela significa superar a pessoa perdida - e a história surpreendentemente fica em pé, tem insights até divertidos. Zero expectativa virou vai pra estante.

Grande irmão, Lionel Shrivner - quem já esteve por aqui sabe que eu amo essa mulher. Li duas coisas sensacionais dela, Precisamos falar sobre Kevin e So much for that, e ignoro um pouco as críticas negativas sobre o fato de que ela é ligeiramente pedante em seu uso de polissílabos para descrever qualquer coisa. Mas esse livro não foi um ganhador. Começou bem: Pandora é casada com Fletcher, e eles tem aquela pequena mesquinhez que você identifica nos outros e te faz sentir humano, é dona de um negócio bem sucedido mas não se conecta de verdade com nada, aparentemente. Aí surge o irmão, o único membro da família que ela gosta de fato, e ela quer hospedá-lo. Ao encontrá-lo no aeroporto, descobre que ele está pesando 175 kg, e todo o drama se segue daí. Ignorar o fato? Ajudá-lo? Entender o preconceito que está à volta dos obesos? Lidar com a fome que não é fome? Com a própria autoimagem? Com as questões de saúde que ele enfrenta? Com a mobília que ele quebra? Com o fato de ser a irmã caçula exercendo o papel de irmã mais velha? ou...
é como assistir um reality show, quase, só que muito melhor escrito, e você segue os capítulos. Me incomodei com a decisão tomada quando ele tinha de ir embora, e achei o fim muito clichê para o que eu conheço e admiro da Lionel Shrivner. Sei lá. Ainda é um livro ruim muito melhor que outros livros médios.


 

sábado, 13 de agosto de 2016

A Letícia lê - quinzena de agosto

E aí que essa quinzena passou voando, principalmente porque estou trabalhando enlouquecidamente. Li uns livrinhos tontos, porque meu cérebro só dava conta disso, comecei muito timidamente Harry Potter, dividida entre querer reler todos eles e ler logo esse último antes de saber tudo pelos outros, e li Dostoievski, O idiota.
Esse idiota do título é o príncipe Mishkin (você vai achar uma grafia diferente a cada edição), e a origem desse nome vem desde Aristoteles ao fato de que ironicamente o idiota é o sujeito que não tem lugar na sociedade, basicamente porque ele foi escrito para ser uma mistura "de Cristo e Quixote". Isso quer dizer que ele é compassivo, ingênuo, honesto, com o coração sempre aberto e exposto, sabe? e, como nos idos de 1800, se apaixonou pelos olhos num retrato, veio de um sanatório onde estava por epilepsia, conta pra todo mundo como a beleza do mundo o fascina... ou seja, um indivíduo sem "capa"social, no sentido de vida em sociedade como a conhecemos na vida vazia.
Isso dito, há momentos nos quais você só acha que ele é... idiota. Desculpe, mas sim, há gente que não merece sua ingenuidade, sua compaixão, e isso não quer dizer que merece o oposto, e sim que não merece seu tempo, só que você siga adiante. E também há momentos demais nos quais os outros parecem ser retumbantes... idiotas. Literalmente batendo os pés e se batendo, como Gavrila e Rogojin. É algo que nos causa vergonha alheia, o fato de que o tempo todo há alguém "enrubescido", "querendo aniquilar o outro", "irado ao extremo", "incontroladamente enraivecido". Assim, estamos no jardim da infância?
Isso inclui todos os personagens principais, pra mim: do general ao príncipe, de Rogojin à Nastassja, de Gavrila à Totski, tenho um pouco de vontade de eu mesma dar um gritinho de "ah gente, vai lavar uma louça", mas aí me lembro da mãe do tuberculoso que teve seus móveis penhorados pelo general (esqueci o nome dela) e percebo que nem tendo louça pra lavar esse povo tomava jeito.
Claro, lá pelo meio com um romancezinho incipiente a narrativa ganha um fôlego porque o interesse humano é pelas emoções mundanas né. Mas vai e volta e vai e volta, e Jane Austen faz isso tão melhor. Desculpa, não deu. Mesmo com o final novelesco e mais agitado que metade do livro.
Não entendo se historicamente o comportamento do público era assim ou ele quis dar uma caricatura, (na verdade entendo sim, claro que era essa a intenção, assim como o título do livro, uma sutil ironia) mas era desconcertante, deprimente e, da perspectiva literária, desculpe, irritante, por conta da repetição das mesmas atitudes - a mensagem é clara e poderia ter sido passada em metade das páginas, porque claramente as pessoas permanecem... adivinha... idiotas. (e não aristotelicamente falando aqui).

Bom, é muito possível que a idiota seja eu e eu não tenha preparo espiritual para ler esse livro. Mas ao contrário de outros clássicos, que me dão camadas novas a cada vez que eu leio ou a cada capítulo, eu achei que esse me parecia uma repetição eterna do mesmo tema. Vou ter que reler Dom Casmurro, ou Crime e castigo, ou um desses que me foram queridos, para tirar esse ranço. Alguém que gostou do Idiota compartilha comigo o que eu perdi?

quinta-feira, 21 de abril de 2016

A Letícia lê - já sabe. Robinson Crusoe, o Sono de 28 anos

Gente, peloamor. Assim, é verdade que foi um mês atribulado. Houve diversas mudanças no trabalho, o que finalmente culminou na minha saída; aí teve a semana-de-se-preparar-para-o-evento-do-adeus, a semana-do-adeus, a semana-pós-adeus. Sim, sou pisciana, essas coisas existem. Enfim - parênteses: foi uma jornada sensacional, só levo coisas boas comigo, estou bem, começo em outro cenário em breve, não há traumas. - Mas, voltando ao Robinson Crusoé: no começo achei que era por conta de tudo isso que estava difícil de ler.
Daniel Defoe tinha mais de 50 anos quando escreveu esse livro. Foi publicado em 1719, como folhetim, e tem o mérito de ter lançado o romance narrativo, porque era centrado em uma autobiografia fictícia contada em tom de história. Aparentemente, não foi sua primeira obra, mas foi graças a ela que ficou famoso. Um outro título dele é Moll Flanders. De qualquer jeito, não houve qualidade que o redimisse sob meus olhos, assim que o jovem alemão (sim, originalmente o nome era Robinson Kreutz whatever, mas como moravam no Reino Unido, não conseguiam falar o nome dele e virou algo como  Crusoé) se mostrou o adolescente mimado que havia enfiado na cabeça que queria ser marinheiro porque sim, e mais tarde viu tudo que lhe aconteceu como prova de que tinha errado ao desafiar as entidades divinas e estava sendo punido. #oi? Ele passa 24 anos na ilha tentando fazer coisas com as próprias mãos, creditando às entidades divinas quando (depois de uns 12) dá certo de plantar coisas e culpando a si mesmo quando todos os barcos nos quais entra afundam, encontra uns canibais, mantém umas trinta casas na ilha (chamadas de 'meu castelo', 'meu esconderijo', 'minha caverna', cada lugar tinha um apelido, era de morrer de rir), a pólvora jamais termina, o rum também não, por sorte dele...
acordado ainda? sorte sua. Eu lutei bastante.
enfim, depois desses cento e dez anos (isso porque ele tinha pouca tinta e  'só escreveu coisas relevantes'), o grupo de canibais que ele sabia que às vezes visitava a ilha traz mais prisioneiros, mas dessa vez ele resolve salvar um pra se tornar escravo dele, porque ele vinha pensando nisso. Sim, é isso aí. Isso, minha gente, é 70% do kindle. Você está morrendo de sede na frente do mar. Chega então o selvagem chamado de Sexta-feira. Sujeito boa gente. Robinson o ensina a não comer os amiguinhos, a louvar Deus como a Bíblia ensina, a plantar e a usar a arma.
E aí subitamente a ilha deve ter entrado no google maps, no waze, os marcianos ouviram os tiros... porque a partir daí é um entra e sai de personagem que você, acostumada a ler só a voz do Robinson Soninho, fica bem confusa. Até porque há várias lutas de espada e mosquete e espingarda e sei lá mais o que, então não se sabe que mocinho ficará até a próxima página.
Então, resumindo: moço mimado, monólogo das suas tentativas de sobrevivência por 24 anos e 70% do livro, aparece personagem secundário, seguido pela porta dos fundos de mais meia dúzia deles nos próximos três anos, que acontecem em tipo três páginas.
Robinson então resolve voltar pra terra dele e ver em que pé está sua vida pregressa.E veja só, parece que sua má sorte só acontece nos barcos, porque fora deles, seus amigos, embora ele tenha sumido por 28 anos, não só guardaram seu dinheiro, como investiram, estão dispostos a reconhece-lo e devolver seu investimento e não lhe dão problema algum. Sua família morreu em sua maioria, e também não o roubou, não discute a herança, nadinha. Ou seja, ele é rico na terra dele.
E o sujeito fica lá? nãaaao! Ele se casa (juro por deus que isso aconteceu em um parágrafo. Não tenho ideia de onde veio a mulher, nem o que ela viu nele, porque eu correria na direção oposta até ele virar um ponto) e quer ficar indo visitar a ilha que ele 'populou'. Megalomania? Falta do que fazer? Insanidade? Todas as anteriores?
Vou dizer o que eu disse no goodreads: Só sei que, se eu fosse pruma ilha deserta, esse seria o último livro que eu levaria.


domingo, 20 de março de 2016

A Letícia lê - ainda beeem devagar

Eu só li dois livros inteiros nessa semana. Em minha defesa, é porque finalmente começamos a planejar as férias.
Bom, na verdade as férias acontecerão em dois meses e meio, mas quem me conhece sabe que na minha cabeça elas só tomam forma quando tá tudo num calendário, com pastinha, guias numa pilha e só a diversão de pensar em como será que fala por favor na língua x. Então, essa é a parte doce e amarga. Contarei quando estiver pronta, falta um pedaço de hospedagem que está me tirando do sério.

Enfim, voltando aos livros: li Observatório de sinais, do Dario Caldas. Ele é da consultoria homônima, e do curso idem (eles realmente gostam desse nome), e parecia tudo muito legal. Aí fui ler o livro, e pra falar a verdade gostei muito pouco. Achei meio escrito com cara de tese de mestrado no primeiro rascunho, com frases meio durinhas, sabe? (quem sou eu, que fugi do mestrado sem olhar pra trás. Mas me senti assim, me processe). E achei que se falaria de tendências de tudo, e me via toda hora lendo sobre moda. E não a parte legal de moda, de menininha, ou do Diabo veste Prada :P. Mas a histórica e chatinha. Notou que eu não amei? Foram só duas estrelinhas no goodreads, que foi pro instagram As pequenas e grandes alegrias :)





Aí fui ler A letra escarlate, do Nathaniel Hawthorne. Pensando, aí não tem erro, né? Um´clássico é um clássico. O Hawthorne achou que ia arrasar com esse aí, aliás. Gente, não deu. Achei todos os personagens caricatos, achei A Grande Revelação uma coisa de novela mexicana, óbvia e tonta, achei as coisas sem explicação, achei os sentimentos esquisitos, e se ele falasse mais uma vez que a menina fada tinha um sorriso quase demoníaco talvez eu atirasse o livro em algum lugar.

Aí voltei pro Airbnb.


domingo, 28 de fevereiro de 2016

A Letícia lê - em ritmo de aniversário

Pois aí eu li um livro que não sabia que existia... desculpe minha ignorância, mas eu realmente esbarrei nele quase sem querer. Baixei gratuitamente no kindle, descobri que foi escrito em 1794, uma década e meia antes de Razão e sensibilidade, e não sei a razão de ele ser tão distinto em termos da heroína, mas foi muito curioso lê-lo: se chama Lady Susan, e é de ninguém menos que Miss Austen.
A questão é que a protagonista, Lady Susan, que dá nome ao livro, é uma heroína muito da sem vergonha; uma viúva que é alguém surpreendente de se ter saído da 'pena' da jovem Jane Austen. Só quer se casar com quem lhe der mais vantagem, busca pretendentes ricos, mesmo que mais jovens, praticamente tranca a filha adolescente no sótão para que isso aconteça, tem um romance com um homem casado, é tipo vilã de novela. O romance todo, curtinho, é narrado através de cartas, ora das mulheres no entorno (a filha dela, a cunhada, uma amiga) ora dela. Foi superinteressante ler isso. Não é romântico, mas não deixou nem um pouco de ser interessante.

A outra coisa que eu li nessa última semana foi Curvas perigosas, o segundo volume de quadrinhos da Maitena, que eu adoro. Ganhei de aniversário, e é uma dessas coisas que recomendo que você leia, compre, dê de presente: diversão garantida para mulheres adultas a partir dos 20 anos de idade. a gente se identifica de cara. Delicioso.

E agora, estou escolhendo dentre opções diversas quem será meu novo horizonte literário da semana. Foi um mês difícil, mas acho que é preciso olhar pra frente e desejar, né?


domingo, 21 de fevereiro de 2016

A Letícia lê (só não digita)

Oiii!
Gente, agradeçam ao seus polegares opostos todos os dias: são realmente um sinal evolutivo, e fazem diferença na sua vida... foi bem difícil estar sem o uso do meu (direito) no último mês. Tentem abrir shampoo, cortar carne, dirigir, se vestir... e o mundo realmente não está muito pronto pra quem está sem acessibilidade. Contatei até uma ong que acolhe quem perdeu os movimentos na idade adulta, pra saber como ajudar. Quando responderem, divido aqui. Afinal, nada é por acaso, né?
Então, agora, com o poder da escrita restaurado...

(imagem da Stokpic)

Cá estou. Não li muito, por conta do mau humor, em sua maioria, rs. Mas do que eu li:

O príncipe, Nicolau Maquiavel - eu já tinha lido em inglês há muito tempo, mas reli a edição da Companhia das letras recentemente, para uma tarefa do trabalho. É ligeiramente assustador como faz sentido. Maquiavel é um fiorentino de 1469 que chegou a ser muito relevante na sua época, chanceler, acompanhou a vida política de perto, fez parte de movimentos grandes; e aí, quando os Médici subiram ao poder, perdeu tudo, foi torturado e preso, e passou uma década escrevendo e mais ou menos buscando redenção. Esse livro foi dedicado ao neto de Lourenço de Medici e tem a intenção de ser um tratado completamente analítico e realista (ele menciona em algum momento que quer ser útil, e portanto, dirá a verdade efetiva) e destrincha as ações de diversos líderes da época e o que fizeram certo e errado, a fim de orientar futuros soberanos. Claro, há momentos cínicos - 'os homens são ingratos e volúveis' - mas há basicamente muita, muita verdade. Foi uma leitura interessante.
Li alguns Harlequins, três em inglês e um em espanhol (confesso que é ligeiramente curioso, parece-me novela mexicana, por falta do hábito), que foram razoáveis, e li o último da J Ward, que foi uma grande decepção. (a da Irmandade Negra).
Li um livro que parecia super fofo,chamado Out of sorts, de uma francesa: a história de um velho que começa em busca de sua cadela, a única criatura que ama, se relaciona com os vizinhos mal, é cativado por uma menina... enfim, tinha uma sinopse meiga, mas a execução foi sofrível, na minha opinião, e ele acabou raso, sem se conectar com o leitor, não crível. Uma pena.
Li a autobiografia Dado: memórias de um legionário, e de novo me arrependi de fazer isso com gente que eu gosto. Costumo ler biografias de pessoas que não conheço ou conheço pouco, portanto tudo será interessante, novo e imparcial. Mas Legião era algo que eu amava muito, e não pude deixar de me sentir vagamente ofendida pela narrativa que me pareceu cheia de uma superioridade sem motivo (o Bonfá é citado duas vezes; o Negrete, um irresponsável, lá no final vira um 'não, claro que ele fez diferença; só era meio drogado, né gente, não era culpa dele'; o Renato, uma prima dona insuportável). A impressão era que o Dado basicamente era o superego da banda, que não iria pra frente sem ele, e que ele não tinha conexão emocional com eles - o que me doi como fã. Pode perfeitamente ser tudo verdade - a gente sabe bem que o próprio Renato, como quase todos os letristas meio geniais, era realmente meio maluco - mas achei escrito com muita defesa e pouco sentimento.
Li A menina da neve, que aparentemente está fazendo sucesso agora. É baseado num conto antigo, e é bem interessante. Não mudou minha vida, veja bem. Mas a história do casal de meia idade que não pode ter filhos e vive meio isolado e um dia recebe uma menininha de gelo é cativante. Do meio pro fim, me irritou um pouco, contudo. Não sei se era a história ou eu.
Li Os últimos preparativos, da Maggie Shipstead, e embora a sinopse em si seja meio tola (um casal que casa a filha mais velha e grávida, os desejos dos pais), a narrativa é ótima, densa, me soou muito como Lionel Shriver, que eu amo.
Li Os impostores, da Chris Pavone, que não fica devendo nada pros Identidade Bourne da vida. Gostei bastante.




segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A Letícia lê

Oie!

E aí na última quinzena (gosto dessa medida de tempo, que os ingleses usam com tanta naturalidade como fortnight...), eu li:

(lista do Goodreads aqui)

  • Reli o clássico Ratos e homens, do prolífico californiano John Steinbeck. Eu detesto descrição, e esse é um sujeito que faz isso muito bem. Você consegue 'ver' Lennie, e George, e Crooks, e Candy, e o cachorro, e o batom da mulher de Curley. Também não gosto dos regionalismos, mas eles fazem sentido na linguagem expressa por esses personagens. George e Lennie, que eu releio de cinco em cinco anos, sempre tem coisas pra me dizer. Nunca vou deixar de me sentir com o coração apertado pelos dois, e não só no fim, mas desde o começo. Acho esse livro realmente incrível.
dmbrdy
  • oito Harlequins que não valem muita menção;
  • Grey, da EL James, que foi uma grande decepção. Na verdade, não é que eu esperava grande coisa, mas adoro um heroi torturado, então pelo menos isso eu achava que seria uma novidade. Mas a quantidade de cenas repetitivas é ridícula, e o livro é completamente centrado no primeiro volume, o Cinquenta tons de cinza, nem entra nos outros. Ou seja, desperdício de tempo, que afinal é a única coisa importante da vida.
  • Dois chick lits bem fofinhos: Living dangerously, da Katie Fforde, e Millie's fling, da Jill Mansell. Não me lembro das traduções pro português, mas são autoras que valem pra quem busca esse gênero meio Bridget Jones, delicinha de ler com um vinho ao lado.
  • um contemporâneo chamado Difamação, da Renee Knight. Não sabia o que esperar desse livro, que é basicamente uma surpresa do começo ao fim. Dá a entender que a protagonista, Catherine, recebe um livro que conta sua própria história, que nao revelou a ninguém. Mas esse é só o começo... acho que vale a recomendação pra você descobrir por si só se vai curtir
  • Outro contemporâneo, embora de época (parece dicotômico, eu sei: mas é que foi escrito nessa década, contando sobre a guerra, e não gosto do nome romance de guerra): Uma praça em Antuérpia, de Luise Valente. Meu chefe me recomendou, e ele lê muito não ficção, então fiquei duplamente curiosa. Valeu cada minuto da história dessas gêmeas, numa trajetória linda, emocionante, cheia de reviravoltas.
  • Um YA, Para todos os garotos que já amei, da Jenny Han. Uma mistura de Dez coisas que eu odeio em você + Mulherzinhas versão oriental. Não tenho certeza de ter gostado, nem de não ter. Foi ok. 
  • A antologia de frases venenosas chamada Mau humor, do Ruy Castro. 


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

A Letícia lê

Além dos três livros que eu li na primeira semana do ano, de folga, terminei o Dupla falta, da Lionel Shriver;
gosto muito dela, desde o Precisamos falar sobre Kevin - e AMEI o So much for that. Alguns outros eu não gostei, verdade. E esse ficou no limbo. Bem escrito, e tenso, cru, fala sobre um casal de tenistas jovem; Willy tem 19 anos quando conhece o outro tenista que se tornará seu marido, e o primeiro cheiro de conflito vem do fato de que ela treina desde os 5 anos e quer subir no ranking, enquanto ele começou a praticar aos 18 anos e vê o tênis como algo que é parte de sua vida, e não toda ela.
À medida que o romance progride, essas tensões competitivas e de personalidades distintas vão vindo à tona das piores maneiras, e você não consegue evitar se solidarizar com ambas as partes, mesmo que, no meu caso, não entenda nada do esporte nem da ambição relacionada a ele.

Aí, Sagarana não me entusiasmou do começo, e querendo ler um clássico, fui pra Madame Bovary. Eu só me lembrava que havia uma traição. O que eu vi:
Charles Bovary se tornou médico quase por acidente, e é um ser medíocre desde o começo do seu retrato, placido e sem culpa nem mérito. Emma, portanto, parece para mim representar na vida dele algo novo, brilhante, lindo, jovem. Ela, por outro lado, é seduzida... por tudo. O primeiro baile que frequenta fica na sua cabeça meses, o primeiro homem que dança com ela, o próximo que flerta com ela, finalmente o que tem coragem de dar o primeiro passo... ela é 'facinha, facinha'. Rasa como uma tábua, me irritou tanto e com tanta frequência que eu lutei um pouco com o impulso de desistir do livro. Endivida a família inteira dando presentes pros amantes e enfeitando a casa, e isso, junto com o fato de que há vários personagens tão horríveis quanto ela, inclusive um vendedor/agiota/desgraçado que arruína a família com chantagens mil e bom, com o conhecimento das fraquezas morais que eles tem.
O fim é surpreendente, no sentido de que depois que você acha que acabou ainda tem mais uns capítulos deprimentes. Honestamente? a questão é que o romance é bem escrito e bem contado, mas os personagens são tão moralmente fracos, unilaterais, egoístas, que a depressão vai te esfriando os ossos até você não querer mais ler o livro. (Você, no caso, sendo eu rs).


Aí li A noiva fantasma, meu primeiro livro do desafio no grupo 'autores internacionais', com uma autora descendente de malaios que vive na California e conta a história de Li Lan, que em 1893 é prometida a um primogênito morto... sim, aparentemente essa prática, que foi proibida no final do século XIX, ainda resiste em alguns lugares da China e Malaia, especialmente em famílias tradicionais e abastadas. Dá pra imaginar? A mitologia toda (as oferendas para os mortos, o fato de que eles só conseguem viver do que lhes foi ofertado pelos antepassados, o arroz) é muito simbólica e me deu arrepios. Foi interessante até o fim, e o desfecho foi de fato distinto do esperado. Gostei bastante! A propósito: foi um livro recomendado na Oprah rsrs!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

A Letícia leu! os favoritos de 2015 :)

A contagem regressiva já começou: faltam alguns livros pro meu próprio desafio ser terminado; ano passado, tinha estabelecido 200, e li 228. Cheguei à conclusão de que se lesse uma quantidade regular de quick novels, esses romancinhos Harlequin ou YA, que são rápidos, eu conseguiria me superar: Aí fiquei folgada... meu objetivo de 2015 são 250, e estou apanhando. Um pouco porque decidi reler clássicos, cuja linguagem mais elaborada e rebuscada, especialmente quando em inglês, e alguns foram, me faz demorar mais. Um pouco porque a vida aconteceu (férias, trabalho, momentos nos quais li pouco).

Também notei que sou pão dura pra cinco estrelas: cinco estrelas são os 'livros da vida', e realmente nem todos entram aqui. Quatro são os que me deixaram terminar impressionada, mas tudo tem a ver com expectativa também, né?
A maioria dos livros que eu vou lendo ganham três estrelas, duas se foram ruins e uma se eu acho que não valem o papel no qual foram impressos.
Finalmente, vale dizer que eu coloquei a versão que eu li, portanto em alguns casos está em inglês. Mas a maioria dos títulos existe em português, é só ir buscar no mundo maravilhoso da internet o que 'conversar' com você :)

Enfim, sem mais delongas: até hoje, dez dias antes de terminar o ano (e 15 livros para entrar na lista), esses foram meus favoritos de 2015, os quatro e cinco estrelas:

Os relidos:

  1. Delicacy, do David Foenkinos. Continua acalentando meu coração de mil maneiras. E olha que a capa de filme não me ajuda a ser feliz (geralmente detesto).
  2. Comédias da vida privada, do Luís Fernando Veríssimo. Não importa o tempo que passe, aparentemente: eu continuo rindo alto dos personagens que a essas alturas são meus conhecidos. Amo esse livro.
  3. Ana e Pedro, Ronald Cleaver e Vivina de Assis Viana. Li com o maior medo, porque era realmente da minha adolescência. Sim, ainda amo.
  4. To kill a mockinbird, Harper Lee. O livro mais popular da minha lista, diz o Goodreads. Eu não sabia o que esperar, afinal fazia séculos que o havia lido pela última vez. Mas como disse o Ítalo Calvino, (acho), um clássico é aquele que nunca terminou o que tinha a dizer.
  5. Anexos, da Rainbow Rowell. Embora esse ano eu tenha lido o novo dela e não gostado, acho que os personagens de modo geral são muito queridos - e, claro, esse livro é em forma de e-mails, minha paixão particular.
  6. Um certo capitão Rodrigo, Érico Veríssimo. Eu quero ler a série toda, claro. Mas tinha um certo apego ao capitão Rodrigo, e queria ver se era justificado. Spoiler: era.
  7. Dom Casmurro, Machado de Assis. Um desses clássicos que você acha que sabe a história, como O velho e o mar. Aí você relê e tem muita pena de tantos autores no mundo, porque né, que triste não ter escrito esse livro. Que incrível camada de personagens, que leveza.
  8. The witches, Roald Dahl. Adoro esse escritor, mas há alguns livros dele que na verdade nunca me atraíram (como  A fantástica fábrica de chocolate, incrivelmente). Essas bruxas, contudo, me são muito reais.

Os quatro e cinco estrelas de 2015 lidos pela primeira vez:

  • A série Reboot, da Amy Tintera - acho que hoje em dia, com tanto YA/distopia, não é fácil alguém ser consistentemente interessante numa trilogia, e eu gostei muito dessa série.
  • Champion, Marie Lu. Falando em séries adolescentes que o mundo devia conhecer.
  • Por lugares incríveis Jennifer Niven. O livro mais triste do mundo, acho. Mas tão, tão doce, que você entende que a vida nem sempre é feliz, mas ainda vale a pena ser vivida.
  • Love like crazy, Megan Squires. Eppie é uma dessas adolescentes que você quer levar pra casa e abraçar, e Lincoln... meu coração achou Eleanor e Park de novo.
  • As pequenas grandes mentiras e O segredo do meu marido, Liane Moriarty. Essa australiana é realmente incrível. Li tudo dela, aos poucos, e de um livro pra outro você gosta mais ou menos, seja por causa do envolvimento com os personagens, seja porque está numa vibração diferente - mas não dá pra negar o talento de contadora de histórias dela, e isso é algo que eu sempre admiro imensamente. Esses foram meus favoritos desse ano.
  • Finding Audrey, Sophie Kinsella. Eu amo essa mulher. Mesmo. Não só porque rio alto com a personagem viva que ela criou pra mim há vinte anos, a Becky Bloom, mas porque depois disso, ela não deixa de me surpreender com sua voz e talento (e simpatia, como pude ver esse ano pegando seu autógrafo). Esse livro é um YA, tão fora da realidade dela! e ainda assim, perfeito.
  • Mar da tranquilidade, Katja Millay. A menina gótica e seus segredos? Ah, mas é tão mais do que isso, né? Como a vida. Como os bons escritores. Como aquelas fases que você acha que não vão passar nunca...
  • The handmaid, Margaret Atwood. Um livro curioso, que iniciou a distopia quando ela não era um gênero, dizem. A tradução horrorosa, algo com 'aia' no título, que você acha que foi um erro de impressão, pode te impedir de pegá-lo na mão, mas uma vez que ele vá pro seu colo, é assombro garantido. Delicioso de ler.
  • Diálogos impossíveis, Luis Fernando Veríssimo. Jà falei que esse sujeito sabe ser incrível?
  • De verdade, Sandro Marai. Ao contrário de vários livros, a sinopse é megacomplexa e te dá até uma preguiça. Outro engano delicioso: ele é absolutamente incrível e vale começar, porque você não vai querer parar.
  • The perfect comeback of Caroline Jacobs, Matthew Dicks. E se sua mãe tivesse um chilique na reunião de pais, e resolvesse ir tirar satisfação da amiga de adolescência a 300 km de distância na sequência? Seria um surto? Pois siga Caroline Jacobs :)
  • Fat chance, Nick Spalding. Comecei muito sem querer, acho que era um freebie. A história de um casal que se inscreve num reality show. Mas, como eu sempre digo, a sinopse sempre diz muito pouco sobre o que um escritor bom pode fazer com ela, né?
  • O filho de mil homens, Valter Hugo Mãe. Vamos ser muito honestas aqui: Se você ler a história sobre o coração fora do corpo e não achar a coisa mais terna e pungente que leu em muito tempo, provavelmente não vai gostar do resto. Mas se isso acontecer, 'agarra nele', como diria minha amiga mineira.
  • Memoirs of an imaginary friend, Matthew Dicks.Como uma pessoa pode escrever um livro contado da perspectiva de um amigo imaginário, e não só não ser ridículo como de fato ser muito real e doce?
  • Put some farofa, Gregorio Duvivier. Uma grata surpresa, eu ri, concordei, quis encaminhar pra amigos... fazia tempo que não tinha reações interativas com esse tipo de livro :)
  • Extraordinario, RJ Palacio. Um desses livros que ficou me rodeando um tempão, e aí um dia me rendi. Auggie mora no meu coração.
  • Em defesa de Jacob, William Landy. Um adolescente acusado de assassinato. O pai é um advogado muito importante na cidade. Antigamente, isso seria Sidney Sheldon, né? mas pode acreditar, você fica passadinho. Bege, como diriam as amigas hoje.
  • The perfect son, Barbara Claypoole. Outra grata surpresa. Existe um casal com um filho de necessidades especiais, e como em muitas famílias, a mulher toma conta de tudo. Aí ela sofre um ataque cardíaco, e o marido tem de se adaptar ao que está acontecendo. Como diria Tolstoi, Todas as famílias felizes são parecidas, mas as infelizes são infelizes cada uma à sua maneira, né?
  • Sugar, Deirdre Riordan Hall. Lembra daquele Precious, que ganhou o Oscar uns anos atrás? Sugar é uma adolescente maltratada, que sofre bullying, tem uma família horrorosa... mas ainda é um livro que te traz novas perspectivas e esperança, e o que mais você pode querer de um livro?
  • No mundo da Luna, Carina Rissi. Capa bregona, sinopse nada de mais... e não é que é bem adorável?
  • Grayson's Vow, Mia Sheridan, Estava doente de cama e queria um chick lit pra ler - gente, há anos não tenho a agradável surpresa sem surpresas de um bom chick lit. Aí uma amiga me disse que esse não era beeem chick lit, mas valia a leitura. Meio romance, meio erotica, meio humor - e a mistura fica muito boa.
  • Lords of the Underworld, Gena Showalter. Pra não dizer que eu não declarei em voz alta que leio esse tipo de trashy novel. E gosto. 
  • Aos meus amigos, Maria Adelaide Amaral. Eu não conheço outras obras dela, mas essa mistura de Invasões bárbaras (lembra desse filme?)  e realidade me encantou.
  • Sobre a escrita, Stephen King. Outro contador de histórias SENSACIONAL. Ele escreve sobre montes de coisas, do começo da sua vida escrevendo num porão ao atropelamento que sofreu em 99, e você bebe cada página. E ainda fica sabendo como surgiram histórias como Misery, uma das minhas favoritas.
  • Three daughters, Consuelo Saah Baher. História de gerações muito bem contada, a la Vargas Llosa.
  • The word child, Iris Murdoch. Uma das coisas que mais me faz chorar é pensar naquele filme que foi feito sobre o fim da vida da Iris Murdoch, uma escritora prolixa que passou trinta anos lidando com linguagem e um dia se viu perdida entre as palavras. Enfim, eu quase a evito, porque é muito triste... mas esse livro é bem incrível.
  • The translator, Nina Schuyler. Um livro sobre linguagem, de alguns modos. A protagonista é tradutora, sofre um problema de saúde... e tanta, tanta coisa dentro dela e fora muda.
  • Emmi e Leo, Daniel Glattauer. Alemães se escrevendo e-mails por acidente se envolvem à distância. quem disse que não há romance epistolar na Europa Ocidental?
  •  Cormoran Strike (Career of evil)Robert Galbraith, pseudônimo da JK Rowling, continua abalando Bangu. A série vale muito a pena.
Vamos celebrar o fato de que embora sejam menos de 20% de todos os livros lidos esse ano, há livros fantásticos o suficiente aqui pra reler mais de um por mês, e gente, isso é muito maravilhoso, né? 


Seinfeld celebrating gif

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

A Letícia lê - livros lidos nessa semana


Antes tarde do que sempre - Bernaldo Gontijo
Só Deus sabe o que esse livro estava fazendo no meu kindle. Não sei nada sobre ele ou sobre o autor, e pra não gastar meu tempo, resolvi não buscar. O livro soou por bastante tempo (as primeiras 100 páginas, acho) como literatura infantojuvenil (ruim), tanto que comecei a me lembrar desses títulos desse gênero dos quais eu gosto, para reler. Daí a parte 'adulta', de bebida, maconha e sexo começou a ficar mais e mais frequente, então deixou de fazer parte desse gênero. Mas a maturidade emocional do protagonista permaneceu nessa faixa etária, e não do jeito fofo e simpático. Tédio com um T bem grande pra vc.

Go set a watchman - Harper Lee
Puxa vida. Tanto a se dizer aqui. Eu fiquei superansiosa por esse livro, claro, porque gosto bastante do primeiro, e porque a voz da Scout era tão gostosa e agradável.
Então, por partes: as primeiras 150 paginas, mais ou menos, permanecem com reminiscências da Jean Louise, que agora vem visitar o pai, já um pouco velhinho e com artrite reumatóide, morando com a tia Alexandra. Ela tem sentimentos dicotômicos sobre Maycombe: metade de si acha que enquanto NY é livre e interessante, Maycombe é, de fato, o "mundo real". Outra metade acredita que jamais conseguiria viver ali.
Não posso falar muito sem dar spoilers sobre o que mudou na vida dela, então fico por aqui. Também nem acho que importa muito para o cerne da história.
Enfim, em algum momento, ela descobre que o pai está no Conselho da cidade, vai até lá, e ouve todo mundo falando sobre como os negros são seres inferiores; fica absolutamente enfurecida porque o pai está lá sem se revoltar, ou seja, ouvindo tudo aquilo e 'aquiescendo', e tem um ataque adolescente. Claro que a gente entende a dificuldade de ver os pais envelhecerem. Eu me identifiquei muito com essa frase: She always thought of him as hovering somewhere in his middle fifties - she could not remember him being any younger, and he seemed to grow no older. Mais ou menos: Ela sempre pensou nele como pairando em algum lugar dos cinquenta e poucos anos - ela não se lembrava dele ser mais jovem que isso, e ele não parecia envelhecer mais do que essa idade. É assim que eu penso no meu pai, e ele já tem 79. Mas eu procuro evitar fingir ter 12 anos. Tipo, sai pisando duro, faz a mala, xinga a tia. Se você não sabe que ela tem 26 anos, jura por Deus que ela tem 16. Electra, a equivalente ao complexo de Édipo, vive, né...
Não vou entrar no mérito do preconceito. É um tema sem dúvida muito complexo, e profundamente interessante, do ponto de vista histórico e humano. E, claro, tenho opiniões. Acima de tudo, tenho crenças e valores. E, como a Scout (e como Atticus), sou regida por eles.
Então, vou focar na minha opinião sobre O LIVRO: entendo perfeitamente o editor (muito esperto) que disse pra Ms. Lee tantos anos atrás: olha, legal e tal, mas acho que se você aumentar esse ângulo aqui e falar mais sobre a infância da Scout, isso aqui tem grandes chances. Esse volume, do jeito que está, tem partes legais, do tipo 'quero saber mais', e outras 'ah, eu fico desse lado'. Que tal? E entendo a Ms. Lee que foi esperta o suficiente para acatar o conselho e escrever um livro tão interessante como O sol é para todos, que afinal virou um ícone.
Porque, em termos de livro, esse é, perdoe meu francês, simplesmente mais chato que o outro. É tipo, substitua a parte nobre (igualdade e justiça sendo a razão do chilique) e o chilique da Scout é intragável. Ela, em muitos jeitos, é só bastante mimada, do jeito dela. E a gente gostava MUITO da Scout, né. Ela era a criança mais esperta, mais interessante, mais rica de emoções. Isso aqui fica decepcionante.
Você pode até dizer que afinal, essa parte nobre é o cerne da história, do livro, do sucesso. Mas aí, minha gente, se é... então foi mal trabalhado. Porque nem aparece por 150 páginas, aparece como razão do chilique, e some de novo, deixa eu contar. Sou mais fã do Uncle Jack, pra falar a verdade, mas não há um grand finale tão lindo como o episódio do livro anterior, então aí a gente fica com outro problema, né...
Enfim. No goodreads, isso aqui virou três estrelas. Duas delas foram ganhas na história da Scout achando que estava grávida aos 11 anos. Impagável. Vou dizer que valeria ler o livro só por isso. Me processe.

Atticus Finch. "You never really understand a person until you consider things from his point of view." To Kill a Mocking Bird. #MauraDawg
Você nunca entende realmente uma pessoa até que você considere as coisas sob o ponto de vista deles. (Atticus Finch, O sol é para todos)


The tennis party - Madeleine Wickham
Basicamente, o sujeito é um vendedor de investimentos, casado e com uma filha, de quem tem muito orgulho, e decide dar uma festa, em torno da quadra de tênis (festa de ricos, né, minha gente), com mais seis pessoas: um cliente viúvo e sua filha, um casal de amigos ricos para quem quer fazer uma venda e um casal de amigos pobres-acadêmicos.
A história é construída de um modo que, embora eu não saiba explicar a razão, soa como uma peça teatral. Quase consigo ver as entradas e saídas de cena. É densa, e forte, e profunda. E eu tenho de dizer que talvez, se a capa não houvesse sido feita em tons de azul e rosa bebê e com o nome da Madeleine (Sophie Kinsella), eu talvez houvesse gostado mais; expectativa é uma droga, né. Como, por causa desses fatos, eu esperava algo leve e fofinho, não gostei tanto. Como quando a gente vê a Jennifer Anniston, de Friends, fazendo um filme dramático, sabe? Até você se acostumar, perdeu metade da história.
Enfim, você, que já sabe sobre o que é a história, fique sabendo que é bem escrita, bem desenvolvida e interessante. Talvez goste mais do que eu.

The one that got away - Simon Wood
misteriozinho, acho que peguei de graça. Um serial killer que resolve ir atrás da única vítima que escapou, Zoe Sutton, e a perspectiva dela, cheia de culpa porque ela deixou a amiga para trás quando fugiu dele, mais de um ano atrás. Melhor do que a média, o que não anda querendo dizer muito.

Cadê você, Bernadette?, Where'd you go, Bernadette - Maria Semple


Que decepção! eu queria tanto ter gostado desse livro. Pra começo de conversa, é um desses que eu 'namorava' há um tempão. Depois, tem essa capa fofinha. Finalmente, é epistolar! tudo pra dar certo. #sqn. Um bando de personagens chatíssimos, sem noção, que não se conversam, (literal e figurativamente), pontos de vista se alternando entre eles sem conexão... puxa, detestei. Leia por conta e risco.

The viking, Marti Talbott - Marido está viciado em tudoviking. Séries, filmes, toy figures. ou seja, assisti à série (yummy), vi o filme A saga viking (meh), e aí fui ler esse livrinho. Só que, depois de tanta machadada e lutas por honra e terras na telinha, esse livro é um menino que sobrevive a uma invasão viking que deu errado na Escócia, e ele é tipo fofo, sabe... quase uma história de amor, o que é estranho. Bom, não estranho. Mas, em algum momento, a gente pensa, tá, por que então chamá-lo de viking? podia ser um náufrago, um órfão, um primo da pessoa... porque olha, de viking ele não tá tendo nada não, viu...

You, CAroline Kepnes - Esse livro foi eleito (por alguém, já me esqueci) o melhor suspense lançado em 2014. Fiquei curiosa, me processe. Fui ler. O moço trabalha numa livraria, flerta com a cliente, pega os dados dela no cartão de crédito, joga no google/facebook/twitter, e em dez minutos está na porta da casa dela vigiando. Arrepiou? Credo, né?
Só que é essa a extensão do livro. A gente arrepia de nojo e aversão desse tipo de atuação, e quando ele começa a soar ainda mais maluco e perseguidor e 'esbarrar' nela e vigiar as amigas e monitorar os e-mails e afins, acho que se fosse um filme e fosse bem feito, podia ser bem legal. No livro, não achei que a autora conseguiu. O sujeito é claramente um psicopata, mas ele só é assustador porque é tão 'preto e branco', sabe? ele realmente acha que a ama, e tudo que faz é pensando nisso, bem obcecado. Mas além de eu pensar, bom, vou checar minhas configurações de privacidade na mídia social e rezar pra não cruzar com gente maluca, semana que vem já esqueci do livro.

#Falsiane, Lucy Skyes - Gente, esse título é tudo, né? Pena que não foi tão bem desenvolvido assim, porque podia. A história é: editora de moda chique, linda, clássica, respeitada, tirou 6 meses de licença, pra tratar um câncer de mama. Quando volta, a ex assistente, periguete (a Falsiane), vendeu a ideia de transformar sua revista em uma publicação só digital, e está quase no seu lugar. Ótimo, né? E seria, eu acho, com uma única mudança: não deixar a Imogen (a editora) parecer uma completa imbecil, que ficou numa caverna por 25 anos, e não por 6 meses, e tem 68 anos de vida rural, não 42 urbanos - porque é assim que ela soa quando demonstra a ignorância absoluta sobre qualquer meio de social mídia, seja facebook, twitter, pinterest, ou algo que podia ser de fato mais complexo, tipo programação ou taxa de conversão de clientes. Isso me incomodou tanto que estragou o livro, que de outro modo, seria bem divertidinho.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Jane Eyre - clássico do momento - timely classic

Olha só que coisa. Mais um desses livros que provavelmente eu li em algum momento, mas tinha ZERO lembrança. E ele começa difícil, né? menina chata, dramática, muito malquista pela família, órfã, parece que você já leu a história.
E então... puxa, sabe que eu gostei?
Jane Eyre tinha sido deixada com um tio, que fez o favor de morrer e a deixou com Mrs. Reeds, a tia mais insuportável, e os primos horríveis, John e Georgiana, que se tornam delinquente/suicida e dama fútil da corte mais tarde. Em algum momento, essa tia envia Jane a uma escola longe, querendo se livrar dela de algum modo, não sem antes 'queimar o filme' da pobre loucamente.
Jane vai à escola, blá blá blá, e olha só, se dá bem, é espertinha, e decide se aventurar pelo mundo como tutora. Vai parar em uma casa chamada Thornfield, como tutora de uma menina chamada Adele.
Num dia, passeando pelo campo, quase socorre um cavaleiro, que olha só!, é Edward Rochester, o herdeiro da casa e guardião de Adele. Ele conversa com ela e a ignora, alternadamente, pergunta se ele é bonito - e ela diz que não, numa das melhores cenas do livro - 

I seriously laugh so hard at this part whether I am reading the book or watching one of the movies.:
em algum momento ele traz uns amigos pra casa, se engraça com uma moça bem mal educada chamada Blanche, finge que vai casar com ela só pra depois dizer "pegadinha do Malandro" e pedir Jane em casamento...
as empregadas da casa desconfiam loucamente da história, porque como assim Mr. Rochester vai se casar com a tutora feiosinha e sem graça e sem herança ou propriedades?. E aparentemente rogam praga, porque no dia do casamento... (Silvia, para de ler aqui e vá ler o livro, é fofo!). Vou fazer um parágrafo aleatório pra distrair aqui:

Jane é muito honesta, muito sofridinha e escrupulosa, e, algo que é bem legal: não é bonita. Muitas vezes isso é dito no livro. Muitas, judiação. Chega uma hora que você quase quer dizer, tá, já entendi, não precisa esfregar na cara da pobre.

revelação continuando: um amigo que havia aparecido na casa do Mr. Rochester anteriormente e sido 'atacado' misteriosamente revela que a 'coisa' que o atacou era, na verdade, sua irmã, que é, tchan tchan tchan tchan, esposa do Mr. Rochester! e louca de pedra (não no sentido figurado: no literal mesmo. Ataca as pessoas, precisa de uma enfermeira, etc etc). Essa pessoa, chamada Bertha, está trancada no sótão há anos, e mesmo depois de um discurso emocionado e lindo de Mr. Rochester, Jane foge, vivendo dias de quase mendicância, porque não será 'a outra'.
Passa-se quase um ano... e, bem no estilo novela do SBT, a família que acolheu Jane na verdade tem laços com sua própria família, descobre que ela ganhou uma herança e agora é rica (estou pulando uns detalhes, pra vc querer ler), e ela volta a Thornfield após escutar uma voz misteriosa uma noite a chamando. Descobre que a casa foi arruinada por um incêndio causado pela louca de pedra, no qual ela morreu, e o viúvo, Mr. Rochester, ficou cego e aleijado. 
Você acha que acabou? Não. Ela vai visitá-lo, ele, claro, ainda a ama, a pede em casamento de novo, a outra frase fofa do livro "Reader, I married him" (Leitor, eu me casei com ele) aparece, e bom,  é mais ou menos isso.






Minhas citações favoritas do livro:


I am unhappy,—very unhappy, for other things.” “What other things?  Can you tell me some of them?” How much I wished to reply fully to this question!  How difficult it was to frame any answer!  Children can feel, but they cannot analyse their feelings; and if the analysis is partially effected in thought, they know not how to express the result of the process in words.  Fearful, however, of losing this first and only opportunity of relieving my grief by imparting it, I, after a disturbed pause, contrived to frame a meagre, though, as far as it went, true response.

Missis was, she dared say, glad enough to get rid of such a tiresome, ill-conditioned child, who always looked as if she were watching everybody, and scheming plots underhand.”  Abbot, I think, gave me credit for being a sort of infantine Guy Fawkes.

Presentiments are strange things! and so are sympathies; and so are signs; and the three combined make one mystery to which humanity has not yet found the key.  I never laughed at presentiments in my life, because I have had strange ones of my own.  Sympathies, I believe, exist (for instance, between far-distant, long-absent, wholly estranged relatives asserting, notwithstanding their alienation, the unity of the source to which each traces his origin) whose workings baffle mortal comprehension.  And signs, for aught we know, may be but the sympathies of Nature with man.

is one of my faults, that though my tongue is sometimes prompt enough at an answer, there are times when it sadly fails me in framing an excuse; and always the lapse occurs at some crisis, when a facile word or plausible pretext is specially wanted to get me out of painful embarrassment. 

Are you anything akin to me, do you think, Jane?” I could risk no sort of answer by this time: my heart was still. “Because,” he said, “I sometimes have a queer feeling with regard to you—especially when you are near me, as now: it is as if I had a string somewhere under my left ribs, tightly and inextricably knotted to a similar string situated in the corresponding quarter of your little frame.  And if that boisterous Channel, and two hundred miles or so of land come broad between us, I am afraid that cord of communion will be snapt; and then I’ve a nervous notion I should take to bleeding inwardly.  As for you,—you’d forget me.” “That I never should, sir: you know—”  Impossible to proceed.” 

“Jane, be still; don’t struggle so, like a wild frantic bird that is rending its own plumage in its desperation.” “I am no bird; and no net ensnares me; I am a free human being with an independent will, which I now exert to leave you.” Another effort set me at liberty, and I stood erect before him. “And your will shall decide your destiny,” he said: “I offer you my hand, my heart, and a share of all my possessions.” “You play a farce, which I merely laugh at.”
“that will be your married look, I, as a Christian, will soon give up the notion of consorting with a mere sprite or salamander.  But what had you to ask, thing,—out with it?” “There, you are less than civil now; and I like rudeness a great deal better than flattery.  I had rather be a thing than an angel.  This is what I have to ask,—Why did you take such pains to make me believe you wished to marry Miss Ingram?” “Is that all?  Thank God it is no worse!”  And now he unknit his black brows; looked down, smiling at me, and stroked my hair, as if well pleased at seeing a danger averted.  “I think I may confess,” he continued, “even although I should make you a little indignant, Jane—and I have seen what a fire-spirit you can be when you are indignant.  You glowed in the cool moonlight last night, when you mutinied against fate, and claimed your rank as my equal.  Janet, by-the-bye, it was you who made me the offer.” 
“It can never be, sir; it does not sound likely.  Human beings never enjoy complete happiness in this world.  I was not born for a different destiny to the rest of my species: to imagine such a lot befalling me is a fairy tale—a day-dream.

“He means to marry you?” “He tells me so.” She surveyed my whole person: in her eyes I read that they had there found no charm powerful enough to solve the enigma.” 

“you were mad, do you think I should hate you?” “I do indeed, sir.” “Then you are mistaken, and you know nothing about me, and nothing about the sort of love of which I am capable.  Every atom of your flesh is as dear to me as my own: in pain and sickness it would still be dear.  Your mind is my treasure, and if it were broken, it would be my treasure still: if you raved, my arms should confine you, and not a strait waistcoat—your grasp, even in fury, would have a charm for me: if you flew at me as wildly as that woman did this morning, I should receive you in an embrace, at least as fond as it would be restrictive.  I should not shrink from you with disgust as I did from her: in your quiet moments you should have no watcher and no nurse but me; and I could hang over you with untiring tenderness, though you gave me no smile in return; and never weary of gazing into your eyes, though they had no longer a ray of recognition for” 
“You see now how the case stands—do you not?” he continued.  “After a youth and manhood passed half in unutterable misery and half in dreary solitude, I have for the first time found what I can truly love—I have found you.  You are my sympathy—my better self—my good angel.  I am bound to you with a strong attachment.  I think you good, gifted, lovely: a fervent, a solemn passion is conceived in my heart; it leans to you, draws you to my centre and spring of life, wraps my existence about you, and, kindling in pure, powerful flame, fuses you and me in one.” 

“What can you mean?  It may be of no moment to you; you have sisters and don’t care for a cousin; but I had nobody; and now three relations,—or two, if you don’t choose to be counted,—are born into my world full-grown.  I say again, I am glad!

“And where is the speaker?  Is it only a voice?  Oh!  I cannot see, but I must feel, or my heart will stop and my brain burst.  Whatever—whoever you are—be perceptible to the touch or I cannot live!” 
“My living darling!  These are certainly her limbs, and these her features; but I cannot be so blest, after all my misery.  It is a dream; such dreams as I have had at night when I have clasped her once more to my heart, as I do now; and kissed her, as thus—and felt that she loved me, and trusted that she would not leave me.”
“Oh, you are indeed there, my skylark!  Come to me.  You are not gone: not vanished?  I heard one of your kind an hour ago, singing high over the wood: but its song had no music for me, any more than the rising sun had rays.  All the melody on earth is concentrated in my Jane’s tongue to my ear (I am glad it is not naturally a silent one): all the sunshine I can feel is in her presence.” 

“recurred in this narrative, and I have done. I have now been married ten years.  I know what it is to live entirely for and with what I love best on earth.  I hold myself supremely blest—blest beyond what language can express; because I am my husband’s life as fully as he is mine. ” 

friends jane eyre gif - Google Search:

domingo, 20 de setembro de 2015

A Leticia lê - livros lidos nessa semana + timely classic - clássico do momento

Essa semana foi a do:

Queria mais é que chovesse - Pedro Mexia
crônicas sempre me atraem. Essa edição é linda, e me chamou com os olhos. Mas de verdade, foi um daqueles casos que o primeiro encontro seria o único. A conversa não se sustentou, sabe? chatice.

Brave new world - Aldous Huxley
Fiquei olhando pra estante e decidi reler livros que estavam lá e dos quais eu só lembrava vagamente; daí saíram várias escolhas dessa semana. Parabéns pra mim! Admirável mundo novo foi um deles. É um livro distópico da época na qual esse gênero era completamente desconhecido dos milhões de jovens que hoje leem Divergente, Jogos vorazes e afins. (dos jovens e de mim, no caso, que adoro, tá?)
O livro começa com a descrição de umas pessoas visitando um centro no qual um processo chamado Bokanovsky é explicado: um embrião é transformado em milhares, 'produzindo' seres humanos perfeitos de uma vez e sem a complicação de conceitos alienígenas como 'família', 'pais', 'sexo'. A ideia é que todos os seres produzidos sejam plenamente felizes, com as tarefas que recebem - afinal, as sociedades são sim divididas em castas, 'como tem de ser' - e desde cedo, frases como 'eu odiaria ser do grupo X', ou 'usar a cor Y' - que pertence ao outro grupo - são inculcadas na mente das pessoas. Sete mil repetições fazem uma verdade, algo assim. A ideia é que todo mundo viva uma vida de prazeres simples, controlados, e sejam felizes - na medida da felicidade do governo.
Existem, claro, alguns personagens que saem um pouco dessa padronização. Bem pouco. Bernard Marx é um deles. (uma ligeira sátira aqui com esse nome) Em algum momento, ele se envolve com uma outra moça, Lenina, mas rapidamente se desaponta porque ela na verdade gosta da droga (soma) que toma e que faz com que tudo fique bem e rapidamente tranquilo, e não quer sentir coisas intensamente como ele.
Eles pregam Comunidade, Identidade, Estabilidade. Logo um outro personagem, John Savage, é inserido no contexto; ele vivia numa 'reserva', quase como o que seriam nossos 'índios', e ao contrário dos outros, sofre quando perde a mãe, já conheceu dor, não entende esse universo. Ele lê Shakespeare (Marx também o havia feito, aparentemente é como as pessoas aprendem a sentir por ali...ah, literatura... ) e diz a frase mais citada do livro: But I don't want comfort. I want God. I want poetry, I want real danger, I want freedom, I want goodness. I want sin. I'm claiming the right to be unhappy. Not to mention the right to grow old and ugly and impotent; the right to have syphilis and cancer; the right to have too little to eat; the right to be lousy; the right to live in constant apprehension of what may happen tomorrow; the right to catch typhoid; the right to be tortured by unspeakable pains of every kind. I claim them all. 
Mais ou menos: Mas eu não quero conforto. Eu quero Deus. Eu quero poesia. Eu quero perigo real, quero liberdade, quero bondade. Quero pecado. Estou reinvindicando o direito de ser infeliz. Sem falar do direito de envelhecer e ficar feio e impotente; de ter sífilis e câncer; de ter pouco para ocmer; de ser incompetente; de viver em constante medo do que pode acontecer amanhã; de pegar febre tifóide; de ser torturado por dores de todos os tipos. Eu quero tudo isso.
Vou dizer duas coisas: a ideia é obviamente original (foi publicado em 1932) e assustadoramente conectada com tanta coisa que vivemos hoje. Nossa necessidade de prazeres imediatos, de drogas que nos deem alívio, de grupos que nos aceitem e façam tudo igual, usando 'as mesmas cores'. A gente acha que é menos tribal, mas não é. 
Mas acho que Mr Huxley não é o melhor contador de histórias do mundo. Sabe, houve diversos momentos nos quais eu não pude evitar pensar... tá, tá, e? - coisa que jamais acontece quando a narrativa é fluida como pode ser. Claro, isso é totalmente uma opinião individual. Mas, bom, sou eu que estou escrevendo, né? Me conta se pra vc foi diferente.
16 Witty Sherlock Comebacks to Knock Out Your Enemies:  

A cidadela - AJ Cronin 
Esse é um livro que eu li há vinte anos, e tem aquele sentimento de novela: não tem nenhuma cena politicamente incorreta - mesmo quando se descreve uma cirurgia, a linguagem é mansa, sutil, bem anos 70 - agora pensando bem, creio que isso também tem a ver com a tradução que eu tenho, que é dessa época. Mas o livro foi publicado em 1937, então de verdade, há uma certa política envolvida.
De qualquer modo, narra a vida do dr. Andrew Manson, desde o momento após sua graduação, a duras penas e só realizada com um empréstimo, seu início de carreira como médico assistente e completamente explorado e seu idealismo.
Existe um contexto histórico aí: não havia um único sistema de saúde em Wales, ou na Inglaterra (hoje existe algo chamado NHS, que mal ou bem, uniformiza os procedimentos). Dr. Manson começou trabalhando supostamente como assistente para o Dr. Page, embora esse estivesse inválido, e, talvez retratando alguma experiência do autor, que também era médico, se chocou com a prática do lucro dos profissionais, dos pacientes que só vinham atrás de atestados médicos ou de remédios, e - num diálogo que me pareceu absolutamente real - de médicos que não ouviam seus pacientes, simplesmente a primeira frase "ah, você tem fraqueza: é anemia, tome essa pílula" em vez de buscar o diagnóstico como um todo.
À medida que ele cresce profissionalmente, tem aí um lado meio Keanu Reeves naquele filme Advogado do diabo - lembra-se, o profissional idealista que é corrompido pela ambição e larga a mulher para ir atrás das luzes da cidade grande, que lhe parecem agora tão fantásticas? A relação do doutor Manson com a esposa, a Christine, que o apoiava de forma quase irritantemente incondicional, desde que ele fosse fiel a si mesmo, me lembrou muito essa.

Enfim, ele passa por várias cidades, vários momentos, relações diferentes com pacientes, com colegas de profissão e com essa esposa, que o 'truca' às vezes "esse não era aquele remédio que na verdade não faz nenhum tipo de efeito? por que você o está receitando?", irritando-o loucamente, porque,né, a verdade dói.
E aí, você quer saber se ele vira um ser humano horrível e mais um dos médicos do grupo medonho? em homenagem à Silvia, que tem ódio de spoilers, eu não vou contar. Você veja que pra mim, como sempre, tanto faz: acho que o que gosto da história é a história e a maneira como é contada.
PS: Eu li esse livro na sequência do Admirável mundo novo. Tão diferente! Li numa sentada, com deleite.
Minha edição:
A Cidadela


Jane Eyre, Charlotte Brontë: lendo. conto semana que vem.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

A Letícia lê - semana 28 - os livros fora da caixa (do Kindle Unlimited)

Olivia Joules e a imaginação hiperativa, Helen Fielding
A autora do Bridget Jones aqui faz algo que eu não sabia que ela sabia fazer: mistura cenas bem cruas e sanguinolentas com sua heroína de literatura cor de rosa. Foi interessante ler um livro 'chick lit' com essa pegada de crime e mistério. Confuso, mas interessante :P

Finding Audrey, Sophie Kinsella
Já falei o quanto eu amo essa mulher? Audrey é uma adolescente com um transtorno, que não está conseguindo olhar as pessoas nos olhos, nem sair de casa, por conta de algo que ocorreu no colégio. Ela não faz nada muito profundo, é verdade, no sentido de explorar o distúrbio - embora haja um momento muito tenso no qual Audrey para de tomar o remédio e você começa a 'falar' com ela no livro, "Não faça isso, não dá pra perceber que não vai dar certo?" - mas é leve e ao mesmo tempo muito triste. O que se chama bittersweet em inglês, a coisa agridoce mesmo. Sei que vou reler o livro, e mais uma vez tiro o chapéu pra moça que escreveu Shopaholic e agora foi pro terreno de literatura infantojuvenil sem perder o charme.


The room, Jonas Karlsson
Esse livro foi um mistério do começo ao fim. Escrito por um ator sueco, e sendo sua primeira obra, poderia ir para qualquer lado, né? Supostamente, foi escrito como uma paródia aos escritórios do mundo. The Authority, (A Autoridade), para quem Bjorn trabalha, pode ser qualquer multinacional do planeta, o escritório, qualquer escritório. Ele consegue ver uma sala, na qual se acalma, que descobre que ninguém mais pode ver. Logo, os colegas começam a se incomodar com o que parece ser a loucura dele (já que quando ele visita a ‘sala’, para os outros parece que ele está olhando para o nada). Você fica sem saber se a sala existe, se ele está provocando as pessoas com seu plano de crescer na escada corporativa, se ele realmente está perturbado... a tensão crescente é tão boa quanto a reação horrorosa das pessoas que não conseguem lidar com qualquer tipo de diversidade. Me lembrou muito o livro do Orwell, Animal farm, com as regras escritas pelos porcos sobre os animais serem iguais, mas alguns mais iguais do que os outros... de qualquer modo, achei que foi um daqueles livros que se torna mais interessante ainda depois que você o terminou, porque fica com você.

The last anniversary, Liane Moriarty
Eu estava salvando esse livro, porque era o único da Liane Moriarty que eu não tinha lido ainda. Gosto TANTO dela, já disse? Uma das minhas favoritas hoje em dia. Esse livro não é o melhor de todos, mas tem os elementos chave que são típicos dela: uma narrativa fluida, envolvente, cheia de detalhes dos personagens, que ficam ricos e interessantes e cheios de segredos, e quando você acha que descobriu tudo sobre eles, percebe que ela é boa mesmo porque ela faz algo que te diz “há, te peguei, nem era isso!”. A história? Basicamente, uma mocinha descobre que é a herdeira de uma casa numa ilha. Quem a deixou para ela foi a tia do ex namorado, que por sua vez tinha todo um segredo envolvendo um bebê encontrado e que era o cerne turístico da ilha. Maluco, né? E você não viu da missa a metade... Fora que ela é engraçada! Olha só:
“Não preste atenção nela’, diz Enigma. ‘Geralmente eu canto na minha cabeça até que ela termine de falar”.

How to build a girl, Caitlin Moran
Humorista, mas de fato, pouco humor.

O silêncio das montanhas, Khaled Hosseini
Esse me ensinou a ser, de novo, menos intolerante e crítica com os best-sellers. Pari e Abdullah são dois irmãos que são separados quando crianças, e a história conta suas vidas e de quem estava envolvido nelas até o fim. O foco narrativo me deixou bem confusa várias vezes, porque muda por capítulo e demora um pouco para se entender quem agora está falando, mas é delicado e sutil e doce.

The lost daughter, Elena Ferrante
Queria muito ter gostado desse livro, porque essa é uma autora que estava na minha lista havia meses – uma pessoa supostamente italiana, de quem ninguém sabe nada, pporque é um pseudônimo e as entrevistas, feitas por e-mail, dizem que tudo que se precisa saber sobre ela ‘é dito nos livros’. E de fato, nota-se que há um movimento de esforço de ser profundo e doído no livro. A narradora tem muitos conflitos latentes, que aparecem quando vai à praia passar uma temporada e começa a se lembrar de outro período da sua vida, quando suas filhas eram crianças e ela as abandonou por algum tempo. Mas de verdade, achei cansativo, chato, repetitivo, denso. Não só emocionalmente denso, mas literariamente cansativo, quero dizer.
 O rei negro, Mark Menozzi
Um autor italiano escreveu sobre Manatasi, um herói negro, que decide ter seu nome gravado na Roda da Fortuna e, para tal, atravessa metade do reino e passa por muitas aventuras. Literatura fantástica com poucos buracos, interessante, com personagens bem desenvolvidos. Infantojuvenil de grande potencial.
De verdade, Sandor Marai
O que dizer sobre esse livro, escrito por um húngaro no decorrer de quatro décadas (o primeiro capítulo escrito em 1941, o último em 1980)? Que coisa incrível! São monólogos, na voz de quatro pessoas: a ex mulher, o ex marido, a suposta pivô da separação e primeiro amor do ex marido e o último amante da suposta pivô da separação/primeiro amor do ex marido. Cada um traz uma série de reflexões, dores e motivações explicadas de modo tão transparente, e ao mesmo tempo tão denso... foi um livro em papel, e ficou com aproximadamente sete mil post-its entre suas páginas, pois havia tantos parágrafos que eu lia e pensava “puxa, que bem colocado! Que lindo! Que insight incrível! Que ironia bem explicada!” Não é um livro fácil de ler, para ler na praia, como muitos dos anteriores – mas vale o esforço em cada minuto.