Books read

Leticia's books

To Kill a Mockingbird
The Catcher in the Rye
The Great Gatsby
Of Mice and Men
Animal Farm
One Hundred Years of Solitude
Lord of the Flies
Romeo and Juliet
Little Women
A Tale of Two Cities
Frankenstein
The Count of Monte Cristo
The Secret Life of Bees
The Memory Keeper's Daughter
The Joy Luck Club
The Da Vinci Code
The Kite Runner
The Shining
The Silence of the Lambs
The Bourne Identity


Leticia's favorite books »
Mostrando postagens com marcador contemporâneo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador contemporâneo. Mostrar todas as postagens

sábado, 15 de abril de 2017

1a. quinzena de abril - aleticiale2017

Li/I've read...


9th and 13th, by Jonathan Coe - a very short book with some stories, one of them brilliant and the others, imho, just okay. I love Coe, however, and strongly recommend you try this one as the appetizer for his other books.

Otherwise Pandemonium, by Nick Honrby - this very short book has two stories, and the first one is great: a high school student finds out, almost by accident, a VCR (yes, who remembers those?) that fasts forward to the future, and instead of making money, he basically uses it to predict doom and lose his virginity. Ah, the innocence of the youth lol. But Hornby has this streak for narrative that is friendly and fluid, and you always want more.

The wave, Todd Strasser - based on a real story, an experiment that took place in California in 1969, and turned into a movie and a series, I think (I saw the movie), the book is my yearly re read. It never ceases to be shocking, though. And sad. and interesting. And slightly crazy. Just like the facts that originated the beginning of the experiment - the curiosity of a bunch of students about the Nazis and their way of thinking. Definitely worth reading.

Literatura comentada, Mario Quintana - Todos esses que aqui estão, atravancando meu caminho/eles passarão/ eu passarinho! - não dá pra ser mais fofo que isso, né? mas dá. A prosa é tão doce e bem escrita quanto a poesia, e esse é um velhinho pra se conhecer.

É agora como nunca: Antologia incompleta da poesia contemporânea brasileira, organizado por Adriana Calcanhoto - se eu já conheço pouco poesia, imagina a contemporânea. Conhecia dois ou três nomes, e é sempre interessante saber o que se está escrevendo por aí. Isso dito, como toda antologia, o gosto de quem escolheu é ligeiramente pessoal, e embora a temática seja excelente - o agora - nem todas as poesias "conversam" do mesmo jeito comigo como leitora.

Tudo que nunca contei, Celeste Ng - estava na minha lista há anos. e imagino que vá entrar em voga novamente, com a tal série advogando o suicídio (13 reasons why) do Netflix. Mas fiquei com gosto de quero mais. Achei que terminei o livro querendo saber tão mais sobre todo mundo, com a sensação de que não conheço ainda nem a Lydia, que perdemos no primeiro parágrafo, nem Hannah, que queria muito conhecer, nem seus pais, que vão do imperfeito ao quero ser perfeito que me deixou insatisfeita, nem o entorno. Acho que abordar um assunto como esse requer mais profundidade, mais empatia, mais amor, e mais informação. Ou seja, não foi detestável, mas não gostei. não teve a empatia de All the bright places, nem o lirismo de The wrath and the dawn.

Cinco esquinas, Mario Vargas Llosa - livro desconhecido para mim do Vargas Llosa, depois de Travessuras da menina má, então altas expectativas, né? pois eu realmente não gostei. Achei meio mais do mesmo, achei muito sexual, achei a trama meio óbvia sem ser interessante, meio novelesca sem ser reveladora... sei que soa feio, mas se não fosse dele eu teria largado o livro. como era, fiquei insistindo esperando ser algo mais interessante do que se tornou. Nunca melhorou. Decepcionante.

My not so perfect life, Sophie Kinsella - oh, how much I missed her <3 and she didn't disappoint me. Even if there were some hollywoodian turns, they were not predictable and it was fun and interesting. Her voice is always the same, and it feels like the person whose sense of humor totally reflects yours, you know? I start smiling by the beginning of the sentence knowing how it is going to end many times. It actually led me to...
a Shopaholic marathon! (actually, a Kinsella marathon, but I'm nothing if not thorough, so I started with the first book I read from her, Confessions from a shopaholic)
I've re read all seven books:
Confessions of a shopaholic - my mind had been playing tricks on me, because I didn't remember important bits, such as Tarkin's first crush or Suze's real looks or how she manages to get rid of debt in this book - Ihad got it confused with the second book. So see, it was great re reading it!
Shopaholic takes Manhattan - I can only imagine what it is like for a Brit shopaholic to go to NY for the first time. The brands, the outlets, the strong currency... I'd go crazy too, lol! and also, Luke <3 and one of my favorite scenes, the t-shirt worn as fashion because she packed light.
Shopaholic ties the knot - the double wedding is something only Becky Bloom would do. At least, believably.
Shopaholic and sister - one of my least favorites. Jess annoys me, Becky seems under the weather for most of the book, Luke is all macho, I don't like it.
Shopaholic and baby - Kinsella being creative all over again. That Venetia is almost Mexican soap opera worth it.
Mini Shopaholic - Even if Minnie sounds a bit of a nightmare, the ending made it all worth for me. I love it.
Shopaholic to the stars - Again, not a favorite: too much drama, too much side plots - I don't care so much about all that soap opera thingy celebrities do - and sadness that doesn't agree with her. Also, where's Minnie?
I still have to read Shopaholic to the rescue, which vanished from my bookcase - apparently, I have two Wedding nights, though. Anyone for bartering? And then I'm going to go for the random ones, Can you keep a secret?, Twenties girl, and so on, which I absolutely love.


quarta-feira, 15 de março de 2017

aleticiale2017 - 1a. quinzena de março

What makes Sammy run?, Budd Schulberg - this had been on my shelves forever. At some point I had read a great review on this book and bought it second hand, but never got to read it. Then, on my quest for cleaning shelves and reading everything I hadn't, this went to the pile (well, it is not a pile: it is a very organized basket that now comprises titles which wouldn't meet in any cocktail party, I guess). It had a wonderful beginning, narrating the always on the run (no pun intended) Sammy Glick the copy boy soon to be discovered as a sleazy bastard by his boss, Al Maheim, the narrator. The narrator is also the person who asks the question - what makes Sammy run? - even though I think it is pretty obvious. These guys work in the late 30s, early 40s Hollywood, in the world of screenplay writing, and Sammy basically wants out of his old life - his Jewish family, including his old name, his  parents, and most of all, his being nobody. He does everything he can to be mentioned by name, and well, he soon is.
I didn't like the ending, which I thought was abrupt and a bit silly.

The great Gatsby, F. Scott Fitzgerald - oh well, I must admit I like a lot of it: the vulnerability, the shallowness, the sadness. But I wanted to kick Daisy's butt so hard, and I hated the ending, and I don't get it why it is considered such a magic book. Sue me.

The catcher in the rye, JD Salinger
Holden Caufield: a lost boy. I guess that sums it up perfectly. He is right when he identifies the assholes, however.


She: A chave para o entendimento da psicologia feminina, Robert Johnson
Um desses livros fininhos, que vc pega inadvertidamente e senta e... puxa! com o mito de ERos e Psiquê por trás, Robert Johnson usa a simbologia toda para falar do feminino. Dos lutos pelos quais Psiquê tem de passar, da simbologia que Afrodite, a mãe de Eros, representa, de como ela supera - ou não - obstáculos. Já dei a uma amiga e espero que ilumine a vida de várias outras mulheres.


Holding up the universe, Jennifer Niven - #wearealllibbystrout - no, we are really not. I wish we were, though, because she is such a force of nature... something to be reckoned. A girl who had to be removed of her house with a crane, because she was morbidly obese - mostly due to suffering so much from grief. Then, she is homeschooled, and then one day she thinks, what the hell, I should join the school again. She is still very heavy, and will go through what still makes me boil with shame and embarrassment. And she does all that wearing purple bikinis. Ah, did I mention it's also a love story? There's this guy who comes across her way, and well, he should. In any case, it's a YA, and unlike so many others, it actually can teach the girl readers some of what it souls should be made of. I'd be proud of Libby, had I met her.


Pequenas grandes mentiras, Liane Moriarty - Reli porque comecei a assistir a série da HBO e fiquei intrigada - lembrava da Maddie morena, de um filho do meio, de coisas que não apareceram. E gente, como ela é fantástica. O livro teve a mesma maravilhosidade da segunda vez que da primeira, ou até mais, porque não havia a ansiedade da primeira vez. Os personagens são bem construídos, a narrativa é envolvente, é divertido, é profundo... que autora sensacional.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

aleticiale2017 - 2a. quinzena de fevereiro

Cheguei a um terço da meta do ano, o que é bom.

Cartas extraordinárias, organizado por Shaun Usher, que incrível <3. Estava na minha estante há anos, presente da Tati Feltrin, esperando um momento especial. Minha reclamação é que eu gosto de ver as letras das pessoas, e queria ver os originais. Nem sempre tem: a maioria é a tradução e em Times new roman, o que perde um pouco a graça. Mas o conteúdo e a curadoria foram incríveis, que delícia de leitura. Recomendo ainda mais que o das listas, e eu amo as listas.

Breakfast at Tiffany's, Truman Capote. Nem tenho vergonha de dizer que é um desses que estava na minha estante há anos e eu nem me lembrava de ter lido. Por um lado, achei interessante e bem escrito. Por outro, ainda não sei qual o fascínio tão absoluto que a Holly (ou Lullamae) exerce sobre todo mundo. Preciso pensar mais sobre isso.

Histórias de fadas, Oscar Wilde. Depois de ter lido sobre a época de prisão e o fim da vida dele, é ainda mais triste ler essas histórias, que são quase sem exceção muito tristes e meio irônicas. Mas valem a leitura, sem dúvida.

O seminarista, Rubem Fonseca. Emprestado. Achei meio bruto demais pra mim, especialmente o final, muito descritivo. Um policial para meninos, com o perdão do sexismo.

Uma janela em Copacabana, Luiz Garcia-Roza, em compensação, gostei muito. Achei mais sutil e interessante, e o final bem surpreendente.

Claros sinais de loucura, Karen Harrington - essa é uma história para adolescentes, YA, escrita por uma personagem cuja mãe tentou matá-la. Devia ser muito horrível, né? Mas é de fato pungente e bem escrita, adolescente mesmo. Acho isso original. Foi uma releitura, e ainda gosto do livro.

Passarinho, Crystal Chan - outra releitura, que gostei um pouco menos do que gostei da primeira vez, sobre uma menina que vive com uma família e suas tragédias sem saber muito bem o que fazer com elas.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury - gosto tanto da premissa. Gosto menos de algumas partes do desenvolvimento, mesmoq ue entenda que fazem parte do mito. Da inana Mildred, da completamente fora da caixa Clarisse - me parecem muito estereotipadas - e do fato de que aquele final me dá uma sensação de incompletude.

E vamos embora :)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

primeira quinzena de janeiro - aleticiale2017

The perfect girl, Gilly Macmillan, estreou meu ano. Parece não ter ainda tradução em português, e foi ótimo.
It was gripping from beginning to end; even when you want to slap Zoe silly (or, actually, slap her mom, or her uncle, or punch Chris, or ... there's some bottled up anger sipping from the characters' passiveness, attitude or lack thereof.), you want to know what happens a bit more, so you go on. The ending might be a bit predictable, everything considered (I'm really bad at predicting the butler's crime and I had guessed it a whole chapter in advance), but as usual, I think the journey is what truly matters.

A resistência, Julian Fuks - O livro, em tom autobiográfico, é narrado pelo irmão mais novo Sebastián, e começa falando que quer falar sobre seu irmão adotado. Filho de psicanalistas argentinos que buscaram exílio na década de 70 no Brasil, logo ele está falando dos vazios e dos ecos que isso quer dizer, num vai e vem constante. É um livro que não sei se gostei, pra ser bem honesta. Ás vezes sim - me lembrava minha amiga argentina falando, o tom é bem genuíno, me pareceu que até os tempos verbais o eram - e às vezes eu só me cansava.

As fêmeas, Marcelo Rubens Paiva - É uma coleção das crônicas que ele escreveu para o jornal, que eu não leio. Em sua maioria, não gostei. Achei escatológico, ou cru, ou agressivo, e nao estou dizendo que não devia ser - simplesmente não é meu estilo ou não era minha expectativa ao ler.

Olhai os lírios do campo, Erico Veríssimo - Havia lido esse livro quando adolescente, e chorado por Olivia, e odiado Eunice. É interessante reler agora. Novelesco, claro, moralista, sem dúvida, mas tem um toque romântico e sociopolítico (mesmo que isso não seja a ênfase total) que é cativante. Me lembrou muito A cidadela, do Cronin. A questão do médico que se tornou médico para ser respeitado e valorizado pela sociedade, enriquecer, ignorando o proposito da profissão e as pessoas que amava no caminho... enfim.

Senhora, José Olímpio - Falando em novela... Várias reviradas de olhos ao ler a descrição da Aurelia, que basicamente era "espertinha, considerando que era uma moça". É preciso lembrar que foi escrito em 18... , e na verdade era até inovador, já que ela se recusava a depender do tutor e foi, até o fim, senhora de seu próprio destino.

O livro das perguntas, Pablo Neruda - Um livrinho leve de poesia que você quase quer ler para crianças, perguntando por que o sol é amarelo e por que o outono gasta tantas folhas em suas dívidas.

Travesuras de la niña mala, Travessuras de uma menina má, Mario Vargas Llosa - Sensacional. Sabe aquela frase que acho que é do Italo Calvino, de "um clássico é o livro que nunca termina o que tem para dizer"? foi isso que pensei, porque adorei a narrativa, e dias depois de terminar ainda coisas ecoavam em mim. Sensação deliciosa! Pensa que o mote da história é entre o Ricardo e a "menina má"; ela sequer tem um nome próprio real no decorrer todo do livro... e isso não importa, é parte da mitologia. Muito incrível.

Selma e Sinatra, Martha Medeiros - a fase de Martha Medeiros continua forte. Esse é um dos dois romances que ela escreveu, e eu achava que ia ser pior que as crônicas, mas gostei muito. É basicamente a entrevista de uma cantora aos 70 e poucos anos, cuja vida perfeita intriga e incomoda a entrevistadora. O drama de ser gente vem à tona várias vezes, e é gostoso de ler.

O túnel, Ernesto Sabato - um argentino que é muito bom contador de histórias, com um romance que começa falando que ele matou uma pessoa. Bom de ler, né? mesmo o personagem sendo ligeiramente maluco, passional e ciumento (bom, faz sentido). Um daqueles romances nos quais a narrativa se sobrepuja em muito ao cerne da história.

Contos fantásticos no labirinto de Borges, organizado por Braulio Tavares - são contos escolhidos pensando-se no argentino Jorge Luis Borges, e há alguns que ficam em pé realmente sozinhos - adorei A livraria, do Nelson Bond, e tive pesadelos com A terceira expedição, do Ray Bradbury.

A dama das camélias, Alexandre Dumas filho - a história de uma meretriz, Marguerite Gautier,  que se apaixona e é correspondida por Armand Duval. Serei honesta: eu esperava mais. Queria saber da história da mme. Gautier, queria entender a razão das camélias, e embora entenda a delicadeza com que a história foi tratada - a cortesã do século XIX renunciando a seu amor em nome da dignidade do amado (pedido do pai de Duval), o arrependimento de Duval por tê-la tratado vingativa e cruelmente como resposta, a doença que a consome, a falta de perspectiva, enfim - não me convenceu como uma das personagens mais conhecidas da literatura. Também li em algum lugar que a história era verdadeira, mas não encontrei fatos que comprovassem essa hipótese.

O sol se põe em São Paulo, Bernardo Carvalho - livro emprestado, de um autor sobre quem eu não conhecia nada e nem sabia que existia. Veio bem recomendado, e aí as primeiras vinte páginas foram de doer. Difíceis pra mim, lentas, aquele tipo de narrativa do senhor dos anéis, de descrever cada coisa e não ir pra lugar algum... quando eu estava quase desistindo, a coisa engrenou e aí se tornou bem fácil. É uma metahistória da metahistória, vários personagens dentro deles mesmos, reviravoltas e surpresas sobre o que de fato aconteceu com os envolvidos - e onde, e quando. Tive de ler o fim duas vezes e meia, porque houve algumas revelações de coisas que eu não tinha prestado muita atenção, mas valeu assim mesmo.

Como falar com um viúvo, Jonathan Tropper - achei esse livro no sebo perto de casa, tinha uma cara simpática e me lembrou outro Jonathan, o Coe, que eu adoro. A sinopse é como o título, mórbida - o sujeito de 29 anos que perdeu a mulher de 40 num acidente de avião e está deprimido e sem saber como lidar com o enteado adolescente e com a vida de modo geral. Ele nem é interessante, se você pensar muito bem. Mas ele começa a escrever uma coluna com o nome do livro, faz um sucesso danado, ele luta contra a depressão - na verdade, mentira, luta bem pouco; ele passa por aquele período que só quem perdeu alguém sabe, que é não querer lutar contra a depressão porque ela significa superar a pessoa perdida - e a história surpreendentemente fica em pé, tem insights até divertidos. Zero expectativa virou vai pra estante.

Grande irmão, Lionel Shrivner - quem já esteve por aqui sabe que eu amo essa mulher. Li duas coisas sensacionais dela, Precisamos falar sobre Kevin e So much for that, e ignoro um pouco as críticas negativas sobre o fato de que ela é ligeiramente pedante em seu uso de polissílabos para descrever qualquer coisa. Mas esse livro não foi um ganhador. Começou bem: Pandora é casada com Fletcher, e eles tem aquela pequena mesquinhez que você identifica nos outros e te faz sentir humano, é dona de um negócio bem sucedido mas não se conecta de verdade com nada, aparentemente. Aí surge o irmão, o único membro da família que ela gosta de fato, e ela quer hospedá-lo. Ao encontrá-lo no aeroporto, descobre que ele está pesando 175 kg, e todo o drama se segue daí. Ignorar o fato? Ajudá-lo? Entender o preconceito que está à volta dos obesos? Lidar com a fome que não é fome? Com a própria autoimagem? Com as questões de saúde que ele enfrenta? Com a mobília que ele quebra? Com o fato de ser a irmã caçula exercendo o papel de irmã mais velha? ou...
é como assistir um reality show, quase, só que muito melhor escrito, e você segue os capítulos. Me incomodei com a decisão tomada quando ele tinha de ir embora, e achei o fim muito clichê para o que eu conheço e admiro da Lionel Shrivner. Sei lá. Ainda é um livro ruim muito melhor que outros livros médios.


 

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A Letícia lê - reta final de 2016!

Faltam só 26 livros, e tenho lido muuuuita tralha pra dar aquele empurrãozinho... o que eu li de não tralha:

mais Martha Medeiros: A Graça da coisa e Paixão crônica (esse último tinha várias crônicas que eu tinha lido nos outros, mas é um ótimo começo pra quem não a leu)

The Singles game, da Lauren Weisberger (a mesma autora do Diabo veste Prada). Romance (no sentido de novela mesmo) interessante, bem escrito, envolvente. Gostei bem.

Do Veríssimo, Banquete com os Deuses, Os espiões e Pai não entende nada. Amei esse último, porque para mim é mais próximo ao Veríssimo que eu amo, o das crônicas.

O bebê de Bridget Jones: os diários. A Silvia (oi, Silvia) me perguntou como eu explicava o fim do último para esse. Honestamente, nem me lembro do último. Achei esse diferente do que esperava (esperava a descrição toda da gravidez, os primeiros passos do bebê, enfim. O que encontrei foi a descrição do velho e bom Daniel Cleaver e Mark Darcy e da maluca da Bridget, todos velhos conhecidos), de um jeito bom.

É isso por enquanto. Ainda tenho dez dias. Aguardem!


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

A Letícia lê - primeira quinzena de dezembro

Oi!
vamos lá...
nunca tinha lido Martha Medeiros, e várias pessoas já me recomendaram, especialmente depois que eu disse que sou apaixonada pela Ruth Manus. Aí minha amiga foi à feira da USP e encontrou diversos títulos com 50% de desconto e eu joguei pela janela as decisões de não comprar mais livros físicos...
já li Um lugar na janela, que comprei para minha irmã, porque ela queria um livro leve e gostoso para a viagem de fim de ano e ele tem crônicas sobre lugares que a autora visitou. Aí li Doidas e santas, e gostei muito mais do que achava que gostaria. São crônicas que ela publicou entre 2006 e 2008, sobre diversos temas do cotidiano. Uma delas eu de fato quis enviar a uma amiga, e várias tiveram essa ressonância de realidade, mesmo sendo de uma década atrás.
Li três livros supostamente autobiográficos, mais ou menos na mesma linha: A garota com tribal nas costas, da Amy Schumer, uma comediante, (foi eleito no goodreads como melhor de sua categoria), Yes please, da Amy Poehler, que conta muita história do Saturday night live, e I'm not that kind of girl, da Lena Dunham, que escreveu Girls, o seriado. Não gostei de nenhum.
Li outro vencedor do goodreads (acho que de autor novo) chamado Behind closed doors, e achei razoável: é uma história sobre um desses maridos do Dormindo com o inimigo, lembra desse filme? e achei o fim bom, mas meio mal escrito. Não achei o trailer dublado, mas acho que várias pessoas devem se lembrar, tá aqui:

Li A livraria dos finais felizes, de uma autora sueca, e comprei outro para dar a uma amiga querida, porque é encantador e amo livros que falam de livrarias...
Li The curious charms of Arthur Pepper, sobre um velhinho que vai atrás dos badulaques de pulseira da mulher que morreu, e é muito gracioso, embora tenha me lembrado outro livro que li e amei sobre um velhinho. Claro que não me lembro o nome nesse momento, volto aqui se lembrar.
Li Listas extraordinárias, primo do Cartas extraordinárias que a Tati me deu e eu amei. Que livro fofo! Tem 125 listas, de todo tipo: de promessas de ano novo da Marilyn Monroe a coisas que o Einstein pediu à mulher antes de se separarem. Adorei.
Como sempre, li vários romancezinhos e um chick lit (Love on a plate), mas nenhum muito digno de menção honrosa.

E estou em busca da meta, gente! Faltam 49 livros, tenho 22 dias. Putz, colocando assim parece meio difícil... mas sou brasileira, né? Vambora!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A Letícia lê - 1a. quinzena de novembro

Tenho corrido um pouquinho pra alcançar o número prometido de livros lidos esse ano, então continuo lendo vários livros gratuitos e de fórmula pronta - os romancezinhos estilo Avon/Harlequin, cuja estrutura é previsível mas confortável e tem ritmo de leitura fácil.
Além desses, li alguns não ficção que podem ser úteis:

Qual é a tua obra? - é na verdade uma coletânea das palestras do Mario Sergio Cortella. O que tem de não legal: algumas coisas já são antigas - se fala de dvds como novidade, da ovelha clonada - e incomodam um pouco a leitura. O que tem de legal: algumas das inquietações e sacadas são incríveis e ressonantes com qualquer um que esteja no mercado de trabalho ou tenha sido líder em algum momento. Também é curtinho e gostoso de ler.

A arte da imperfeição - Brene Brown - ela é bem famosa nos EUA, por sua pesquisa sobre a vulnerabilidade e a vergonha. Eu comecei pensando em um livro de autoajuda e estava um pouco incomodada, porque não gosto desse gênero. Mas em torno do capítulo 3 já tinha decidido que vou dar uma cópia desse livro a uma amiga e que aquilo fazia todo sentido. Acho bem válido.

O código da liderança - Dave Ulrich - o autor fez algumas pesquisas com CEOs de grandes empresas sobre as características que determinavam liderança eficaz, e construiu um modelo que é baseado em cinco dimensões. Fez bastante sentido para mim.

Faça acontecer, da Sheryl Sandberg - uma amiga do escritório me emprestou, porque acabou de fazer uma oficina sobre empoderamento feminino numa cliente. Li em duas sentadas. A executiva do Facebook começa a contar histórias dela, sobre como foi percebendo sua própria atitude em relação à seus pares, como essa questão da mulher na liderança foi surgindo, e as estatísticas são tão aterradoras... quando fui postar a review no goodreads, me deparei com um comentário falando de que os exemplos que ela dava era surreais porque ela tinha babá e o marido havia mudado a empresa para ficar com ela e as crianças. Honestamente, tanto faz. Ontem almocei com uma amiga e a questão só mudava de perspectiva, porque não é sobre dinheiro, embora obviamente ele ajude - é sobre o fato de que a gente acha que é um favor e uma fofura o cara mudar de emprego pelas crianças, e uma obrigação se a mãe o faz. Esse é um livro que até merecia uma resenha própria, mas acho que tem de ser relido, digerido, e a gente primeiro tem de engolir as desculpas que vem imediatamente à boca antes de discuti-lo. Então, recomendo primeiro, para homens e mulheres, e não porque é uma bíblia da verdade feminista, mas só porque traz muitos números e histórias que podem causar reflexão. E depois, se quiserem, a gente fala dele, porque essa é uma conversa bem rica.


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

A Letícia lê - 2a. quinzena de outubro

Eu sei, é vergonhoso. Mas tem sido um período tenso, de muitas horas de trabalho, e chegou um momento no qual ou eu lia ou eu escrevia sobre o que estava lendo :P
Ah, e teve a maratona Gilmore girls, que roubou todas as noites durante umas três semanas. Que saudades eu tinha da Rory e da Lorelai e de todo o drama e das 60 palavras por minuto.
Enfim, agora chega aquele período no qual eu me desespero porque minha meta de 260 livros do ano está muito atrasada (faltam 93 e só temos 53 dias para acabar o ano!). D. disse "mas a meta é sua, deixa ela pra lá"e eu tive um ataque de riso. Parece que não me conhece :P A la Scarlet O'Hara, dramaticamente, cumprirei a meta ou morrerei tentando.

De qualquer jeito, no último mês e meio, eu li 45 romancezinhos Harlequin, que são os aceleradores de meta, rã rã. Rápidos, com fórmula quase, uns dois ou três MUITO mal escritos dos que fazem a gente fazer caretas ao ler, outra meia dúzia muito fofinha e romântica, a maioria gratuitos porque depois que eu descobri o Ebook lovers hesito muito em pagar por esse tipo de livro - só aqueles cujos autores eu já conheço e gosto. Nalini Singhi, Lexi Ryan, Kersley Cole, essas de quem eu já li vários, por exemplo. Se esses livros te interessam, espia meu goodreads. Pule tudo que tem duas estrelas. Nem tudo que é gratuito vale a pena.

Além deles, li meia dúzia de chick lit que já estava na minha casa (Ralph's party, da Lisa Jewell, foi o único que ainda se manteve interessante, com as três estrelas do meu 'corte'. Os outros perderam o encantamento em algum momento dos últimos dez anos. Li pela primeira vez um da Jenny Colgan, The bookshop on the corner, bem fofo.

Reli alguns outros títulos: em particular, um chamado A madrasta, da Nancy Thayer, que foi comprado pelo meu irmão no Círculo do livro em 1900 e bolinha e eu li muitas vezes quando adolescente. Achava a narrativa muito vívida, conseguia ver muito bem a madrasta e as enteadas e a lista de demandas da ex esposa. É muito interessante reler livros que você leu quando era praticamente outra pessoa. Reli também um Veríssimo, Histórias brasileiras de verão. Não é o mais engraçado, mas há algumas das histórias que te fazem rir horas depois de ler.

Li um distópico bem bom, Anthem, Ayn Rand. E mais dois YA, The magicians, Lev Grossman, que eu tinha esperado muito e fiquei um pouco desapontada, e Despertar, da Meg Cabot, sempre uma alegriazinha. ah, e um chamado Lionheart, uma revisita de Bela e a Fera, sempre uma fofura.

Li um mistério chamado The Little Stranger, da Sarah Waters, que me prendeu muito quando o sobrenatural começou de fato a aparecer, e me frustrou um pouco quando não foi de fato "resolvido". Foi bem Poe pra mim. Gostei. (obrigada, Silvia!) Li também um livro chamado I know this much, do Wally Lamb, cujo gênero eu não sei classificar. Gostei muito de algumas partes, me arrastei por outras. Gostei do final, mesmo mais hollywoodiano.

Li Ruth Manus, Pega lá uma chave de fenda e outras divagações sobre o amor, e eu já sabia que ia gostar porque adoro muito o que ela escreve. Comprei dois, já pensando numa amiga que sei que também gosta, e na verdade já saí da livraria pensando que devia ter comprado quatro, porque é um livro doce e fofo. Ela me faz sorrir, chorar ou querer compartilhar - sabe aquele pensamento de "Sim, eu também!"? sempre tenho quando leio sua coluna no Estadão. O livro é mais genérico, mas mesmo assim muito fofo.

E li Antonio Prata, Trinta e poucos, e estou salvando o melhor para o final porque AMEI MUITO. MUITO. MUITO. Compre pra todo mundo que você conhece, porque é uma delícia de leitura. Leve, engraçado, triste, interessante, termina rápido demais.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A Leticia lê - julho terminando

E na segunda quinzena de julho:

eu li A elegância do ouriço, da Muriel Barbery - me recomendaram e emprestaram. Acho que eu jã tinha ouvido falar dele, mas não me lembrava. A narrativa me lembrou Marguerite Yourcenar, sabe, da História de Adriano? elegante e clássica. Basicamente, conta a história de uma concierge (vamos lá, é zeladora) que se finge de inculta quando na verdade ama coisas que os ocupantes do prédio considerariam muito sofisticadas para sua profissão (como Tolstoi e Brahms), e de uma das moradoras, uma adolescente suicida. A coisa vai crescendo de você gostar, e quando você vê, está envolvida com a vizinha simpática, os moradores do prédio, o possível romance - a única coisa que não me atraiu foi a adolescente chatinha e esnobe, tão inteligente que não consegue se achar no mundo. Ah vá. Mas, sem querer ser desagradável, eu não estava preparada para o desfecho.

O centauro no jardim, Moacyr Scliar - um autor por quem sempre tive curiosidade, e aí nas #andanças do mês, fomos ao Parque do Povo e lá peguei o livro. É realismo mágico, então não é pra todo mundo. Mas eu simpatizei com o centauro e estava super acreditando nele, porque a narrativa das emoções e do entorno são de fato boas. Acho (mas acho mesmo, certeza não tenho não) que é uma metáfora de, além de se sentir diferente, crescer numa comunidade rural e pequena numa família judia nas primeiras décadas do século, como imigrante. E, de novo, achei o final levemente anti climático.

El juego de Ripper, da Isabel Allende - adoro Allende, e esse livro, por ser físico e em espanhol, estava na fila há um tempão. É uma tentativa de mistério criminal dela - aparentemente ela começou escrevendo com o marido, e quase deu em divórcio, mas resolveu continuar sozinha. Gosto muito da Isabel Allende, porque ela tem essas narrativas que parecem alguém te contando uma história ótima enquanto vocês tomam café 'a tarde, sabe? uma voz boa. E esse livro, embora tenha elementos mais crus de assassinato, tem uma pegada meio YA (a filha da personagem principal é quem está tentando desvendar o mistério junto a seu avô). Eu gostei, Não amei, como Cuentos de Eva Luna, mas gostei bastante.

Truly madly guilty, da Liane Moriarty - acho bem injusto que esperei meses por esse livro e ele acabou tão rápido. E acho que essa é uma autora muito, muito consistente - há sempre um capítulo qualquer no qual eu penso "ah, acho que esse vai ser chato", e aí ela me desmente logo, e cria uma reviravolta que eu realmente não esperava, e eu tenho vontade de fazer isso aqui:


Incrível, dona Moriarty. Seu talento permanece. O livro conta a história de duas amigas desde o colégio, Erika e Clementine, embora essa amizade seja também questionada. Em um dado momento, me pareceu MUITO aquele filme que se originou de uma peça, O deus da carnificina. Adorei. Aliás, recomendo o filme também.

e pra agosto, gente? ganhei um certo pacotinho de livros emprestados e comprei o último Harry Potter (estou na verdade querendo reler todos os outros, só pra durar mais), então aparentemente estou na fase livros físicos. Tá interessante, tranquilo e favorável.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

A Letícia lê (só não digita)

Oiii!
Gente, agradeçam ao seus polegares opostos todos os dias: são realmente um sinal evolutivo, e fazem diferença na sua vida... foi bem difícil estar sem o uso do meu (direito) no último mês. Tentem abrir shampoo, cortar carne, dirigir, se vestir... e o mundo realmente não está muito pronto pra quem está sem acessibilidade. Contatei até uma ong que acolhe quem perdeu os movimentos na idade adulta, pra saber como ajudar. Quando responderem, divido aqui. Afinal, nada é por acaso, né?
Então, agora, com o poder da escrita restaurado...

(imagem da Stokpic)

Cá estou. Não li muito, por conta do mau humor, em sua maioria, rs. Mas do que eu li:

O príncipe, Nicolau Maquiavel - eu já tinha lido em inglês há muito tempo, mas reli a edição da Companhia das letras recentemente, para uma tarefa do trabalho. É ligeiramente assustador como faz sentido. Maquiavel é um fiorentino de 1469 que chegou a ser muito relevante na sua época, chanceler, acompanhou a vida política de perto, fez parte de movimentos grandes; e aí, quando os Médici subiram ao poder, perdeu tudo, foi torturado e preso, e passou uma década escrevendo e mais ou menos buscando redenção. Esse livro foi dedicado ao neto de Lourenço de Medici e tem a intenção de ser um tratado completamente analítico e realista (ele menciona em algum momento que quer ser útil, e portanto, dirá a verdade efetiva) e destrincha as ações de diversos líderes da época e o que fizeram certo e errado, a fim de orientar futuros soberanos. Claro, há momentos cínicos - 'os homens são ingratos e volúveis' - mas há basicamente muita, muita verdade. Foi uma leitura interessante.
Li alguns Harlequins, três em inglês e um em espanhol (confesso que é ligeiramente curioso, parece-me novela mexicana, por falta do hábito), que foram razoáveis, e li o último da J Ward, que foi uma grande decepção. (a da Irmandade Negra).
Li um livro que parecia super fofo,chamado Out of sorts, de uma francesa: a história de um velho que começa em busca de sua cadela, a única criatura que ama, se relaciona com os vizinhos mal, é cativado por uma menina... enfim, tinha uma sinopse meiga, mas a execução foi sofrível, na minha opinião, e ele acabou raso, sem se conectar com o leitor, não crível. Uma pena.
Li a autobiografia Dado: memórias de um legionário, e de novo me arrependi de fazer isso com gente que eu gosto. Costumo ler biografias de pessoas que não conheço ou conheço pouco, portanto tudo será interessante, novo e imparcial. Mas Legião era algo que eu amava muito, e não pude deixar de me sentir vagamente ofendida pela narrativa que me pareceu cheia de uma superioridade sem motivo (o Bonfá é citado duas vezes; o Negrete, um irresponsável, lá no final vira um 'não, claro que ele fez diferença; só era meio drogado, né gente, não era culpa dele'; o Renato, uma prima dona insuportável). A impressão era que o Dado basicamente era o superego da banda, que não iria pra frente sem ele, e que ele não tinha conexão emocional com eles - o que me doi como fã. Pode perfeitamente ser tudo verdade - a gente sabe bem que o próprio Renato, como quase todos os letristas meio geniais, era realmente meio maluco - mas achei escrito com muita defesa e pouco sentimento.
Li A menina da neve, que aparentemente está fazendo sucesso agora. É baseado num conto antigo, e é bem interessante. Não mudou minha vida, veja bem. Mas a história do casal de meia idade que não pode ter filhos e vive meio isolado e um dia recebe uma menininha de gelo é cativante. Do meio pro fim, me irritou um pouco, contudo. Não sei se era a história ou eu.
Li Os últimos preparativos, da Maggie Shipstead, e embora a sinopse em si seja meio tola (um casal que casa a filha mais velha e grávida, os desejos dos pais), a narrativa é ótima, densa, me soou muito como Lionel Shriver, que eu amo.
Li Os impostores, da Chris Pavone, que não fica devendo nada pros Identidade Bourne da vida. Gostei bastante.




segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A Letícia lê

Oie!

E aí na última quinzena (gosto dessa medida de tempo, que os ingleses usam com tanta naturalidade como fortnight...), eu li:

(lista do Goodreads aqui)

  • Reli o clássico Ratos e homens, do prolífico californiano John Steinbeck. Eu detesto descrição, e esse é um sujeito que faz isso muito bem. Você consegue 'ver' Lennie, e George, e Crooks, e Candy, e o cachorro, e o batom da mulher de Curley. Também não gosto dos regionalismos, mas eles fazem sentido na linguagem expressa por esses personagens. George e Lennie, que eu releio de cinco em cinco anos, sempre tem coisas pra me dizer. Nunca vou deixar de me sentir com o coração apertado pelos dois, e não só no fim, mas desde o começo. Acho esse livro realmente incrível.
dmbrdy
  • oito Harlequins que não valem muita menção;
  • Grey, da EL James, que foi uma grande decepção. Na verdade, não é que eu esperava grande coisa, mas adoro um heroi torturado, então pelo menos isso eu achava que seria uma novidade. Mas a quantidade de cenas repetitivas é ridícula, e o livro é completamente centrado no primeiro volume, o Cinquenta tons de cinza, nem entra nos outros. Ou seja, desperdício de tempo, que afinal é a única coisa importante da vida.
  • Dois chick lits bem fofinhos: Living dangerously, da Katie Fforde, e Millie's fling, da Jill Mansell. Não me lembro das traduções pro português, mas são autoras que valem pra quem busca esse gênero meio Bridget Jones, delicinha de ler com um vinho ao lado.
  • um contemporâneo chamado Difamação, da Renee Knight. Não sabia o que esperar desse livro, que é basicamente uma surpresa do começo ao fim. Dá a entender que a protagonista, Catherine, recebe um livro que conta sua própria história, que nao revelou a ninguém. Mas esse é só o começo... acho que vale a recomendação pra você descobrir por si só se vai curtir
  • Outro contemporâneo, embora de época (parece dicotômico, eu sei: mas é que foi escrito nessa década, contando sobre a guerra, e não gosto do nome romance de guerra): Uma praça em Antuérpia, de Luise Valente. Meu chefe me recomendou, e ele lê muito não ficção, então fiquei duplamente curiosa. Valeu cada minuto da história dessas gêmeas, numa trajetória linda, emocionante, cheia de reviravoltas.
  • Um YA, Para todos os garotos que já amei, da Jenny Han. Uma mistura de Dez coisas que eu odeio em você + Mulherzinhas versão oriental. Não tenho certeza de ter gostado, nem de não ter. Foi ok. 
  • A antologia de frases venenosas chamada Mau humor, do Ruy Castro.